sexta-feira, 29 de novembro de 2019

TURISMO E A BLACK FRIDAY: CUIDADO NA AVALIAÇÃO DE CERTAS OFERTAS

A contaminação das mais lindas praias do Nordeste é um risco para os turistas nesta Black Friday.



Tão esperada, e ela finalmente chegou. Estamos no auge da Black Friday, cercados de tentadoras ofertas por todos os lados, e enfrentando o fantasma do dólar e do euro com cotações altíssimas, que inibem os menos corajosos e tornam o preço proibitivo em algumas excursões, como nos cruzeiros marítimos. Mesmo não tendo tanto dinheiro para gastar, e com juros bancários dignos de desalmados agiotas (nossa rede bancária em geral), a maioria dos consumidores brasileiros já chegou estressada ao auge da Black Friday (hoje e amanhã) e segue ansiosa na busca de preços realmente baixos e convidativos de ocasião - e as viagens são uma preocupação de  milhares de pessoas.

O único conselho que se pode dar nesta  hora de excessiva euforia: cuidado com algumas ofertas, investiguem bastante para não fazer uma má escolha, ou comprar um produto pelo que não vale. Cuidado também com as falsas remarcações de preços, típicas de comerciantes sem escrúpulos (eles e elas): aumentam abusivamente o preço real e depois oferecem uma escrota pechincha. A desonestidade campeia por todos os lados, neste país sem lei.

No caso dos luxuosos resorts do Nordeste, que são um dos sonhos de consumo da maioria da classe média, tentem avaliar bem o que eles oferecem pelo preço que cobram - e investiguem bem, em primeiro lugar,se as praias da região foram atingidas pelo criminoso vazamento de óleo de alguns navios cargueiros asiáticos. O fantasma da contaminação das  praias mais badaladas é inerente em todos os projetos de viagem para o Nordeste em dezembro, janeiro e fevereiro. Reina uma grande e já esperada desinformação.  Fatos graves são camuflados. Os imprevistos são muitos. Perguntem ao resort, na sua reserva, se eles devolvem todo o dinheiro antecipado no caso de as praias estiverem inaproveitáveis.

Reparem que muitas operadoras de excursões e  agências de viagem preferiram '"esticar" os descontos da atual  Black Friday - que tem seu auge neste final de semana - para o primeiro trimestre de 2020, na esperança de que o vexame das praias contaminadas já tenha passado - o que ninguém pode garantir.

Permitam-me citar um exemplo pessoal: na reserva de dois apartamentos (817 e 819),  o Hotel Deville Prime de Salvador  nos exigiu pagamento antecipado em dezembro,  descontado no meu cartão de crédito Itaú Mastercard  e do meu genro Cássio Mol (Santander Mastercard), para garantir o preço de Black Friday  (mais de R$ 2.350 cada) para o período de 24 de janeiro até 1º de fevereiro de 2020. Mas não prometeu que devolve o dinheiro, integralmente, se as praias de Itapoã, Stella Maris, Catussaba e do Flamengo estiverem sem  condição de uso. A gente  que se vire.

No turismo, que devia colocar o viajante em 1º lugar em todas as  circunstâncias, ele vem em último lugar para toda a cadeia produtiva: aeroportos, companhias aéreas, hotéis e resorts, operadoras, agências de viagens, serviços de táxi, restaurantes e bares, transportadoras terrestres etc. Não pode ser assim. É injusto.


   PROMOÇÕES NO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2020

De propósito, para ganhar tempo, os preços da atual Black Friday tiveram sua validade  estendida até fevereiro e março de 2020. As ofertas aqui citadas são da CVC,  maior operadora da América do Sul, presente nos principais shopping centers de Belo Horizonte: 

Entre as maiores atrações da Flórida,estão essas montanhas russas de alta velocidade


1) A Florida Central, e Orlando, principalmente, atraem  o maior número de brasileiros no período de férias e depois ao longo ao ano.  As montanhas russas de alta velocidade, como as de Sea World e Discovery Cove, em Orlando, e de Busch Gardens, em Tampa, no oeste da Flórida, são as mais famosas. Há também a roda gigante Orlando Eye, com 78 metros de altura. A Flórida Central recebe mais de 60 milhões de turistas por ano. Razões para atrair tanta gente: os parques temáticos Disney World, Epcot Center,  Reino dos Animais e Disney Hollywood Studios; Universal Studios, Harry Potter, Jurassic Park e Ilhas da Aventura; o parque  aquático  Wet'n Wild; o parque floral Cypress Gardens e muito mais. Orlando está sempre se renovando.  A CVC oferece,com preço de Black Friday, os mais famosos parques de Orlando,  em viagem de 11 dias, com saída em 21 de março. Viagem aérea com hospedagem, sem café da manhã, no Hotel Maingate Lakeside Resort, por R$ 3.372 à vista (o preço terá de ser recalculado com a excessiva valorização do dólar, em verdadeira disparada). Financiamento em 12 parcelas de 281 reais.



Cartagena das Índias é a principal cidade histórica da costa da Colômbia



2) Outra oferta da CVC com preço de Black Friday: temporada em Cartagena, a maravilhosa cidade colombiana com sua rica história.e famosa por muitos filmes de piratas do Caribe caçando tesouros nos sete mares, em meados do século passado. Sete dias de viagem,e hospedagem com café da manhã no Hotel Cartagena Real. Custo de R$ 2.688 por pessoa em apartamento duplo, com parcelamento em 12 prestações iguais de R$ 244. Embarque em 16 de março.

3) Mais uma viagem ao exterior com preço de Black Friday: excursão à África do Sul, a partir de Joannesburgo, com sete dias de duração e cinco diárias com café da manhã no Royal Olympia Lodge. Preço por pessoa de R$ 2.892 em duplo, com financiamento em 12 iguais de R$ 241. Embarque em 16 de março.

4) Também com embarque em 16 de março, a CVC tem uma excursão para Bonito,  um dos mais belos lugares do Pantanal Matogrossense,com passagem aérea,transfer e hospedagem com café de manhã na Pousada Diamante, muito acolhedora.Custo de R$ 1.980 por pessoa e financiamento por 12 iguais de R$ 165.

5) Em 10 de fevereiro, a CVC sugere um passeio de seis dias em Fernando de Noronha, com passagem aérea, transfer, e  hospedagem com café da manhã numa das pousadas turísticas da ilha. Haverá também uma caminhada histórica, tendo antes uma palestra informativa sobre a ìlha, e proteção da flora e fauna. Seguro de proteção local. Custo de R$ 3.792 por pessoa em duplo, financiados em 12 iguais de R$ 316.


PROGRAMAS DISPON[VEIS PARA ESTE FINAL DE ANO

1) Serra Gaúcha com Natal Luz de Gramado, com saída no fim de novembro. Sete dias de passeio, incluindo passagem aérea e transfer, hospedagem com café da manhã no Hotel Laghetto Vivace Canela e um giro  pelas atrações turísticas da região. Preço Black Friday por pessoa, R$ 1.512 em duplo. Parcelamento em 12 iguais de R$ 126.

2) Para o litoral da Bahia,em um de seus recantos mais privilegiados - que é Arraial d'Ajuda -  a CVC programou uma excursão de oito dias,  incluindo hospedagem com café da manhã no Arraial  Beach Hotel. Sua oportunidade de conhecer algumas das mais belas praias da região. Preço Black  Friday de R$ 1.128, com parcelamento em doze de R$ 94.

3) Férias de janeiro no Cana Brava  Resort, desembarcando em Ilhéus, e seguindo para a vizinha praia de Olivença. Oito dias de excursão. O programa é tipo All Inclusive, com bebidas incluídas. Farto café da manhã. Custo de R$  4.872 por pessoa, à vista, ou doze iguais de R$ 406.  Em todos esses programas, está garantida no custo final a  bagagem despachada a cada viajante.


  NAVIOS TAMBÉM OFERECEM VANTAGENS ESPECIAIS
 
 Todo reformado, o Soberano é o antigo Sovereign of the Seas, da Royal Caribbean


Mais uma vez, o navio Soberano, trazido pela CVC, vai participar da temporada de verão no litoral brasileiro, oferecendo as vantagens do sistema All Inclusive,que garante  bebidas variadas nas refeições em todos os setores do navio. Entrando no sistema de ofertas da Black Friday, o Soberano propõe cruzeiros  com sete noites a bordo, saindo de Santos-SP com destino ao Rio de Janeiro, Búzios, Balneário Camboriú e novamente Santos, com embarque em 22 de dezembro. É uma chance de aproveitar as diversões a bordo, com cassino, piscinas, hidromassagens, salas de jogos  e gincanas culturais com prêmios.Pertencendo à frota da  espanhola Pullmantur, o Soberano é o antigo navio Sovereign of fhe Seas (Soberano dos Mares),que foi da frota da Royal Caribbean Cruise Line. Oferece shows no estilo Broadway, vários ambientes com   música  ao vivo, tocando sucessos da MPB e hits  internacionais. Tem ainda cassino aberto dia e noite, com roleta, pôquer, dados e vários tipos de jogos e apostas. Tem garçons e atendentes que falam diversos idiomas, inclusive o Português.

Nesta promoção, o cruzeiro pelo litoral do Sudeste e Sul do Brasil oferece cabines mais baratas, internas, sem vista do mar, e também camarotes e suites com vista do oceano, inclusive com varanda privativa. O menor preço deste cruzeiro é de R$ 3.396 por pessoa, mais taxas, em cabine interna, com financiamento  em 12 parcelas de R$ 283. A empresa oferece ainda traslados de São Paulo ao Porto de Santos, na ida e na  volta. Informações e reservas  em todas as agências de viagens.
O MSC Seaview, verdadeiro gigante dos mares, é o maior navio estrangeiro que já veio ao Brasil

Outro navio que será a maior sensação  da próxima temporada é o gigantesco MSC Seaview, que transporta mais de 5.500 passageiros e oferece preços de Black Friday  numa viagem com embarque em 28 de janeiro,visitando Salvador, Ilhéus, Ilha Grande, Santos e Búzios. As condições de pagamento são diferenciadas: entrada de R$ 330 e mais dez parcelas iguais de R$ 311, ou R$ 3.449 à vista, por passageiro,  em cabines internas. As bebidas estão fora do preço do pacote, sendo pagas à parte. Mas as taxas estão inclusas no custo final.

O Seaview é um mundo de lazer e diversão, oferecendo conjuntos de piscinas e hidromassagens, bares variados, serviço de coquetéis e cerveja na beira das  piscinas, amplo cassino com todos os tipos de apostas, e ainda estilos musicais diversos,shows com  artistas e malabaristas,  aulas de dança, hidroginástica, biblioteca, salas de jogos e danças de salão. Os tripulantes vẽm de  mais de 30 nações ao redor do mundo, mas há brasileiros entre eles, para facilitar.

  A MSC oferece ainda descontos de Black Friday em outros navios de sua frota, com cruzeiros de Natal no MSC Fantasia, com roteiros de sete noites, rumo à  Argentina e Uruguai, embarcando no Rio de Janeiro.  Nesta viagem, custo de R$ 3.219 por pessoa, em cabine dupla interna, com entrada de R$ 321,90 mais dez prestações mensais de R$ 289,71. Também no MSC Fantasia, há uma viagem de 7 noites ao Nordeste brasilero,partindo do porto do Rio. O menor preço, em cabine sem vista, é de R$ 1.999 por pessoa, com entrada de R$ 179,90 e mais dez mensais de R$ 179,91. Os cruzeiros valem a pena, apesar das dificuldades da hora presente (mais já foram piores no passado). Divirtam-se.



SON SALVADOR FOI EMBORA E DEIXOU SAUDADES



Son Salvador teve uma carreira brilhante no "Estado de Minas", por mais de 43 anos

Isto é o que se pode chamar de partida repentina,sem prévio aviso: o talentoso chargista Son Salvador (Gerson Salvador Pinto), de 70 anos, foi retirado abruptamente do convívio de centenas de amigos e leitores e assinantes do jornal "Estado de Minas", onde brilhou intensamente no alto da página de Opinião, dando sua visão bem-humorada, analítica e irônica dos fatos e personagens  do dia, procurando alegrar e divertir as pessoas. Brilhou também na condição de redator da coluna Boladas e Botinadas, nos finais de semana,e participando dos programas televisivos Aqui Esporte e EM Esportes.

Deixou a viúva Francisca, os filhos Frances e Gerson e dois netos, a quem o vovô Salvador dedicou seu maior carinho. Foi um comunicador de rara sensibilidade, bom colega, bom amigo e merecedor de todas as homenagens dos administradores do futebol mineiro e seus principais clubes. Meus sentimentos à sua família.

Mineiro de Sabará, Son Salvador dividiu seu coração entre o Galo e o Siderúrgica, que foi campeão mineiro em 1937 e 1964.
-----------------------------------------

Na próxima coluna: os mais de 70 sobreviventes da turma de bacharéis de 1965 da Faculdade de Direito da UFMG  se reúnem  no próximo dia 7 de dezembro, a partir de 18h, no Automóvel Clube de Belo Horizonte, para comemorar seus 54 anos de formatura. Somos sobreviventes, sim, mais de 70 já se foram. Eu mesmo, resistindo bravamente e procurando manter o espírito jovem, não me considero um Matusalém
Hélio Fraga- 29/11/19

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

ANDALUZIA E COSTA DO SOL ESPANHOLA, 13 DIAS PARA ELETRICITÁRIOS DA AEA/MG


Praça da Espanha, grande atração da maravilhosa Sevilla


Este blog especial sobre a Costa do Sol espanhola e a Andaluzia está sendo longamente esperado, e meu  primeiro dever é explicar as razões de tamanho atraso, pois devia ter sido postado em 11 ou 12 de outubro - lá se vão quase  40 dias. A viagem do grupo da AEA/MG (Associação dos Eletricitários Aposentados e Pensionistas da Cemig) durou de 26 de setembro passado até 9 de outubro, com ida e volta via LIsboa, pela TAP  - ida pelo novíssimo Airbus A330-900 Neo (abreviadamente, A-339), que causou magnífica impressão, e retorno por um dos antigos A330-200 da frota da companhia portuguesa, para decepção dos viajantes, pois a maioria dos assentos foi mudada com a utilização do equipamento antigo - que parece coisa do século passado,se comparado ao reluzente A339. A parte terrestre foi contratada à operadora Mapa Plus, representada em MG pela Bauer Turismo (Frederico Bauer de Oliveira, ex-Alitalia, respeitado profissional do setor). Em nome da AEA/MG, a viagem foi organizada pela Alpino Turismo (Márcio Ramos), que a representou junto ao grupo. de 37 participantes.


Herança da civilização árabe dentro da Catedral de Córdoba

Logo no começo da viagem, na Costa do Sol, pisei em falso num chão de pedras e tive uma forte torção no tornozelo esquerdo, que me prejudicou bastante nos passeios, já que os guias locais espanhóis andavam muito depressa, como se estivessem treinando para a maratona, mesmo havendo no nosso grupo uma passageira com 90 anos e vários acima dos 80 (meu caso, inclusive). Com o pé doendo e muito inchado, eu pedia ao guia local,  educadamente, que andasse mais devagar. Ele podia  maneirar e colaborar,  mas  seus colegas correram o tempo atrás, e nós, alguns estropiados, indo atrás deles. E nosso ônibus era o que parava mais longe - não por culpa do ótimo motorista José de La Mancha (eu brincava com ele chamando-o assim), mas do trânsito local, por limitação aos veículos grandes- e isso ocorreu em Malaga e Torremolinos e também em Ronda, Cádiz, Jerez de La Frontera, Sevilla, Córdoba, Valencia, Granada, Barcelona, Zaragoza, Madrid (não vimos praticamente nada) e na excursão a Toledo, última cidade visitada  em 8 de outubro, superlotada. Havia uns 30 ônibus de excursões parados na parte baixa.
Torre La Giralda,, outra atração histórca de Sevilla

Sem me alongar muito na organização da viagem, o ônibus da Mapa Plus  a serviço da AEA/MG, embora moderno, tinha limitado espaço interno, sendo desconfortável para longos trajetos. E viajar foi o que mais fizemos, devendo ter percorrido mais de 2 mil km em 13 dias. O embarque e desembarque pela porta do meio era perigoso, sem apoios para as mãos, com acesso difícil, e uma passageira de BH, de 76 anos caiu no chão e quase se machucou seriamente. Podia ter tido  fratura no nariz e queixo. Sorte sua que só os joelhos ficaram inchados e esfolados.

 Os passageiros, na maioria, acham que foi má escolha a parada em Medina Sidônia para uma demonstração com cavaleiros e touros na propriedade da família Domecq, longa demais e desinteressante, sob um sol de 35 graus, e parte do grupo tendo de caminhar 700 metros para acesso à arquibancada descoberta. Uma perda de tempo e dinheiro. Falsa atração típica para turista americano desinformado e bobo. Outra perda de  tempo em Jerez de La Frontera: a visita à Adega Gonzalez Byass, da marca Tio Pepe, encontrados facilmente em supermercados e casas de bebidas.  Escassa degustação dos produtos à venda. Preços altos, já com o euro a mais de 5 reais.

Valencia,com sua arquitetura arrojada e futurista


A maior queixa do grupo foi perder um dia inteiro na estrada, de Barcelona a Madrid, via Zaragoza, rodando 635 km. Se a viagem fosse melhor programada, o grupo podia gastar apenas 2h40 em trem de alta velocidade da Catalunha à  capital espanhola. Por esse motivo, perdeu-se uma segunda-feira e o passeio por Madrid foi limitado, rápida passagem pela Gran Via e uma parada ao lado do Estádio de Santiago Bernabeu, do Real Madrid. A pior localização de hotel foi a do Rafael Atocha  em Madrid, longe de tudo. Havia pelo menos 10 hotéis a escolher na região da Gran Via. Opinião geral: a Mapa Plus pode reformular o roteiro e torná-lo mais interessante, justificando seu alto custo.  

 
Este moderno trem gasta 2h 40 entre Barcelona e Madrid

Outra crítica: a má qualidade na atração Pueblo Espanhol, na parte alta de Barcelona, com comida de má qualidade num restaurante típico, que não justificou sua fama. Chamei à mesa o dono e critiquei, na língua dele  O grupo saiu insatisfeito e mal impressionado. Mas a turma da AEA/MG considerou ótimo o desempenho do guia hispanobrasileiro Lucimar, ele e  o  motorista José receberam nota 10 e uma gratificação de 260 euros cada, sob palmas. 

O único hotel a receber nota máxima foi o Meliá de Valencia, excelente localização, com o apartamento melhor e mais confortável - pena que a permanência tenha sido mínima, de 1 noite. O grupo acha que Valencia merecia uma segunda noite, pela cidade em si,  pelo conjunto de atrações e pela acomodação diferenciada. Não se justificaram, por exemplo, as 2 noites no Sercotel Gran Hotel Luna de Granada, embora bem localizado, de frente  a uma loja de departamento El Corte Inglés.

0
A catedral de Barcelona segue construindo novas torres


   AS COMPLICAÇÕES DE UMA TORÇÃO NO TORNOZELO

De volta a BH/Confins em 11 de outubro, logo em seguida tive outra torção no mesmo tornozelo, mais séria, quase rompendo os ligamentos, o que provocou idas ao Hospital Felício Rocho, exames e consultas,  novas chapas e recomendação de 25 sessões de fisioterapia, feita pelo ortopedista Benjamim Dutra. Acabei fechando com a clínica Clinorto,  na Rua Luz 46, Serra, aos cuidados do especialista Osmar.

Para complicar os atrasos, durante um temporal de primavera em outubro, caiu  uma descarga elétrica na cidade, atingindo grande parte do bairro Serra, o que deixou vários computadores inativos, desligou telefones fixos  e queimou vários CPUs , como o meu, que demorou muito a ser recuperado. O e-mail sṍ foi reativado na primeira quinzena de novembro - dai este grande atraso em relação ao plano inicial, e meu pedido de desculpas aos participantes. Aqui estão os nomes prometidos. Isso não lhes custa nada, vocês sabem. O blog é um serviço público gratuito, feito com amor e prazer - enquanto  vida eu tiver. Agradeço sua paciência, e compreensão.


O ambiente de nossa viagem foi o melhor possível - aquele sentimento de amor e fidelidade  à Cemig, orgulhosos de ter vestido sua camisa, honrados em participar de sua construção através de décadas,  e torcendo ardentemente para que ninguém, a pretexto de tentar privatizá-la, se atreva a procurar denegrir seu conceito e atingí-la pelas costas e à traição. A Cemig é um legítimo orgulho de Minas, patrimônio de nosso povo. É a melhor empresa energética da América Latina, e modelo de todo o setor  elétrico brasileiro, tão vilipendiado e desmoralizado durante os governos petistas de Lula e Dilma, e do desgoverno de Fernando Pimentel, que quebrou Minas Gerais.

Num clima de coleguismo, camaradagem, verdadeira fraternidade, a gente conviveu da melhor forma possível naquela sucessão de belas paisagens da Andaluzia e Costa do Sol. Os apartamentos duplos nos hotéis foram ocupados por esses casais: o tour leader Márcio Ramos e sua esposa, a advogada Madalene Ramos; Celso Tolentino Filho e Maria Régia Tolentino; Raimundo Nonato Coelho e Gislene Emília Coelho; Marcelo Renato Maia Costa e Suzana Simmons Costa; Jaci Gontijo Filho e Augusta Gontijo (ele é irmão de Jorge Gontijo, um dos mais qualificados repórteres fotográficos de Minas Gerais,que cobriu cinco Copas do Mundo para o nosso "Estado de Minas").


Outros casais na viagem: Edi Ângelo e Norma Hellen Ângelo,ele membro da diretoria da AEA/MG e  irmão de Erasmo Ângelo,também nosso ex-colega no Esporte;  Eustáquio Ribeiro e Leila Ermelinda Ribeiro, que deu um show de belas fotografias na viagem (mais de 600) ; Álvaro Eustáquio Corrêa e Lúcia Helena Corrêa; Eustáquio Vieira e Maria Beatriz Vieira; João Carlos de Paula e Maria de Fátima Bracks; e Helio Fraga e Ana Maria Noce Fraga, os últimos a se inscreverem, já no 3º tempo.

Os apartamentos duplos com duas camas de solteiro foram ocupados por:  Ana Luíza Trindade e Vilma da Conceição Dario, do alto comando da AEA/MG;  Edmea Rocha e Telma das Mercẽs Leão; Marinez Dias Gontijo e Maria do Carmo Portella; Ana Lucia  de Oliveira e Olzemir Marriel; Marilia Gomes e Ana Helena Corrêa; Norma Lúcia  Lavalle e Margarete Lavalle; Ester de Fátima Machado e Zelia Maria Vieira; e Shirley Lúcia Lopes e Neusa de Assis Branco.

Cumprida a promessa dos nomes completos, para os filhos e netos verem, favor  aguardarem futuros blogs específicos sobre Sevilla, Barcelona, Toledo e Granada, dependendo de disponibilidade de espaço - pois estão programados blogs sobre as viagens e resorts com preços de Black Friday; temporada de cruzeiros com sete  navios estrangeiros no Brasil e grandes prejuízos para o Turismo do Nordeste com esse criminoso vazamento de óleo em cargueiros desconhecidos nas nossas mais belas praias.  E Belo Horizonte está de parabéns pelo diploma de uma das cidades mais criativas do Brasil,  ao lado de Fortaleza. Mas falta cuidar melhor dela, melhorar o horrível transporte  coletivo, não pisar nos jardins e ter um trânsito menos neurótico.


   A HONRA DE SER UM  "'ELETRICITÁRIO APOSENTADO"


A Cemig é um patrimônio do povo de MG.

Vêm de longe essas minhas ligações com a nobre classe dos eletricitários aposentados que a AEA/MG hoje congrega, e muito bem presidida por João Isidro Vinhal. A entidade já se manifestou claramente contra a precipitada tentativa de privatização da empresa mais eficiente e lucrativa de Minas. A Cemig não está sozinha nessa luta contra as pressões e desafios desta fase difícil. Pena que o atual governador Zema seja o primeiro a criticar sua "falta de eficiência" e um de seus secretários de Estado (nem merece ser citado) anuncie em entrevista coletiva que a Cemig deve perder a concessão de TODAS AS SUAS USINAS dentro de 2 anos, só lhe restando o edifício-sede no bairro Santo Agostinho -  uma leviandade dele.

Hoje, são mais de 8 mil empregados na ativa e  mais de 12 mil aposentados e suas famílias, garantidos  pela Forluz e Cemig Saúde, duas instituições que orgulham Minas e merecem ser respeitadas e defendidas. As profissões e funções são as mais diversificadas: engenheiros civis, mecânicos, metalúrgicos, químicos, florestais etc; médicos e enfermeiras; operadores de usinas e subestações; administradores de empresas e economistas; advogados e procuradores, psicólogas, nutricionistas; operadores de máquinas pesadas e guindastes; secretárias, telefonistas e recepcionistas;  pessoal administrativo em geral; plantões de 24h por dia nos centros de operação, usinas e subestações; pessoal de manutenção de linhas de transmissão e de redes subterrâneas,  redes urbanas e rurais.

Está passando da hora de contar esse antigo amor e respeito pela Cemig. Estive por mais de 16 anos na empresa,  entre maio de 1975 e setembro de 1991, quando me aposentei somando os anos acumulados em várias outras funções, trabalhando desde 1953. Com muito orgulho, fui balconista e faxineiro por 3 anos e 3 meses no armazém de meu pai, no Prado e Calafate; fui entregador de mercadorias com carrinho de mão na Rua Platina e adjacências; fui  escriturário na madeireira Somalia Ltda; fui contínuo e entregador de relógios na Rio Joias, e balconista e vendedor de imagens na antiga Casa Santos Seabra, na Rua São Paulo, entre Caetés e Av. Afonso Pena. Exerci as funções mais humildes, praticamente sem salário, para ajudar meu pai, que pagou meu Curso Científico (segundo grau) no Colégio Santo Agostinho,muito caro na época. Paguei trabalhando.

Não pensem que dei sorte na vida, fui sempre sério e dedicado. De meus 4 irmãos homens, fui o único que fez o Serviço Militar (CPOR de BH, anos 1958/59). Fiz o Curso Champagnat e estudei muito para passar no vestibular de Direito e o consegui em janeiro de 1961. Tive a sorte de trabalhar com Guy de Almeida, que considero o maior jornalista de MG. Ele me admitiu no velho "Diário de Minas" em dezembro de 1959, e seguimos juntos no Correio de Minas e revista 3 Tempos (projeto jornalístico arrojado,que não deu certo), voltamos ao DM, fomos para o semanário Binomio, que foi empastelado pelo Exército, e depois nos separamos porque ele foi exilado para o Chile em fins de 1964.

Melhor parar por aqui. No próximo blog, vou lhes falar sobre os sobreviventes da turma de 1965 na Faculdade de Direito da UFMG, que vamos comemorar 54 anos de formatura no próximo dia 7 de dezembro, no Automóvel Clube de  BH.

------------------------

Belo Horizonte- Minas Gerais,Sudeste do Brasil
Dia 19 de novembro de 2019
Editor- Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

(hfraga.rmj@gmail.com)

segunda-feira, 7 de outubro de 2019

COM AZUL, FORT LAUDERDALE E PARQUES DA FLÓRIDA FICAM MAIS PERTO DE MINAS


O airbus A300-200 colorido da Azul, vai operar esta rota a partir de dezembro

Está confirmado mais um voo internacional partindo do Aeroporto de BH/Confins para a cidade de Fort Lauderdale, no sul da Flórida, a 65 km de Miami - operado pela Azul Linhas Aéreas com o Airbus A330-200 com 278 poltronas,divididas entre econômica e classe executiva. O sistema de reservas da empresa não confirma, por enquanto, a possibilidade de que a nova rota seja operada com o novíssimo Airbus A330-900 Neo para 295 passageiros. 

A primeira  decolagem será no dia 16 de dezembro, segunda--feira. Como número AD-8732, o jato parte às 13h30 de BH/Confins, pousando na cidade da Flórida às 20h30 locais, uma hora a menos em relação a Belo Horizonte. Por enquanto, serão ligações semanais, às segundas, quartas e sextas-feiras. O voo de retorno, AD-8733, sai de Fort Lauderdale às 22h, tendo pouso previsto em Confins às 8h30 da manhã seguinte. As reservas já podem ser feitas no sistema da Azul pelo fone 4003-1118. Para os clientes do programa Tudo Azul, em suas várias categorias, o número é diferente: 4003-1182. 


O aeroporto internacional de Fort Lauderdale é um dos mais movimentados da Flórida

Fort Lauderdale (sigla aérea FLL), a Veneza das Américas, famosa pelos hotéis de luxo,  seu alto poder aquisitivo e pelos  canais marítimos navegáveis, se torna assim a nova porta de entrada nos Estados Unidos para as tradicionais excursões de famílias em férias, atraídas pelos parques de Orlando, na Flórida Central: Disney World, Hollywood Studios, Epcot Center e Reino dos Animais. Outros parques famosos, que atraem mais de 60 milhões de visitantes por ano,com ingressos caríssimos,são os Estúdios da Universal, Ilhas da Aventura, Wet'n Wild, Sea World, e as montanhas russas radicais de Busch Gardens em Tampa. A roda gigante Orlando Eye é uma das atrações anexadas em anos recentes a este complexo de diversão, a maior mina de dinheiro  nos EUA. Os turistas brasileiros são reconhecidos aqui como os que gastam mais.Depois deles, os japoneses e chineses.


Pelos seus canais marítimos, Fort Lauderdale é chamada de Veneza das Américas
Iates de todos os tamanhos, barcos de pesca e  veleiros luxuosos circulam pelos canais marítimos de Fort Lauderdale, onde pontes metálicas se abrem (draw-bridges) para que eles passem, tranquilamente. Não há engarrafamento de iates a caminho dessas pontes, tudo é muito bem organizado e sem apitos e sirenes. Todas as mansões junto aos canais possuem seu porto privativo. Os milionários aposentados, vindos do Norte dos EUA, têm tanto dinheiro que algumas casas possuem 3 embarcações ancoradas: um iate de luxo, um barco equipado para pesca marítima (os marlins são os reis do pedaço) e um veleiro.

Fort Lauderdale é também a cidade preferida pelos universitários norte-americanos, que invadem o Sul da Flórida para a comemoração anual do Spring Break, feriado prolongado que acontece junto com a Páscoa (Easter), já que não têm Semana Santa. Todos os anos, milhares de jovens vêm curtir o Spring Break, em abril, que comemora também o fim do inverno prolongado (começa em novembro) e  a chega do sol e da primavera. Há bebedeiras colossais, deixando os policiais sempre de prontidão em seus carros brancos, cujos modelos são sedans de luxo da Chevrolet, Ford, Chrysler, Mercury, Pontiac, Dodge, Nash e outras marcas. A cidade praticamente não dorme na avenida da praia - a gente não sabe se o dia está começando e se a noite se recusa a acabar. Confusões de todos os tipos acontecem, principalmente entre as universidades rivais.


    

           UM VERDADEIRO PARAÍSO DAS COMPRAS

O Sawgrass Mills tem mais de 400 lojas para os turistas


Perto de Fort Lauderdale, na região de Sunrise, está o Sawgrass Mills, um dos maiores shoppings da Flórida, que já passou por várias ampliações. Fica a caminho de Orlando, tanto pela Turnpike como pela Interstate 95 North. São mais de 400 lojas e várias praças de alimentação. Destaque para Target, Marshall's, Burlington, Bed & Bath Beyond, Nike, Reebok, Fila, Adidas, Puma, Polo Ralph Lauren, Tommy Hilfiger e marcas famosas como Saks Fifth Avenue,  Bloomingdale's, Macy's, Prada, Louis Vuitton etc.

Orlando é famosa pelos seus Outlets da rede Simon,tendo também o Florida Mall e o Mall at Millenia. São 250 km entre Fort Lauderdale e Orlando, com duas opções de acesso: pela Turnpike, pagando pedágios que podem ser  incluídos no programa de aluguel de carros (Hertz, National, Alamo, Dollar, Enterprise, Avis, Budget e outras locadoras), ou pela Interstate I-95, sem pedágio a não ser algumas cobranças eventuais perto de aeroportos. A rodovia é moderníssima, com 4 faixas em cada sentido, e uma impressionante rede de viadutos de acesso. Velocidade máxima de 65 milhas por hora, cerca de 110 km/h. A partir de 70 milhas, é multa na certa, com  todo aquele constrangimento de burlar a lei.

Na direção South, estão Miami e uma série de cidades interligadas, como Aventura, North Miami, Hialeah, Kendall, Coral Gables, Dania, Miami Shores, Miami Downtown, Miami Beach, Sunny Isles, etc. Seguindo no rumo sul, passando  pelo centro de Miami (Downtown)  depois a I-95 S assume a rodovia US-1 South, só com 2 pistas em cada sentido, e velocidade menor (55 milhas), tomando  a  direção de Homestead (autódromo de F-Indy e base aérea  da USAF), Key Largo, Marathon, a famosa Seven Mile Bridge (ponte de 12 km  tão alta que permite passagem de grandes navios) até chegar a Key West, a cidade mais ao sul dos EUA, a 90 milhas maritimas de Cuba. Nesta cidade de Ernest Hemingway fica o Southernmost Point, o marco do extremo sul dos EUA. A rodovia US-1 North começa aqui e vai até Boston.


Fort Lauderdale sempre foi frequentada por turistas da América Latina

Na direção norte, a I-95 North liga Fort Lauderdale a Pompano Beach, Boca Raton, West Palm Beach (reduto de tenistas  e golfistas milionários aposentados), Delray Beach, Vero Beach e uma série de cidades à beira-mar, enquanto a Turnpike segue pelo interior do Estado, em estradas muito planas, rodeadas de florestas de pinheiros e antigas fazendas de gado e laranjais. Há grande quantidade de lagos - o mais belo deles é o Okeechobbee. Importante lembrar que o desenvolvimento da região de Orlando,onde foi implantada a Disney World, começou no início dos anos 60. Aconteceu uma explosão de desenvolvimento com espantosa criatividade por aqui.  Bilhões de dólares foram investidos para se criar um Reino da Fantasia.

Na região de Boca Raton vivem milionários aposentados

Imagine tudo isso à sua disposição: mais de 100 mil apartamentos para alugar por dia; restaurantes e cafeterias de todos tipos (Arby's, Pizzeria Uno, Red Lobster, Charlie's, Pizza Hut etc); grandes lojas de departamento,como Macy', Saks Fifth Avenue, Target, Best Buy, Jordan Marsh, Neiman Marcus, Tommy Hilfiger, Marshall's, Nike, Adidas, Puma, Reebok etc; e algumas das maiores marcas mundiais, como Rolex, Louis Vuitton,  Prada,  Dior, Versace, Ermenegildo Zegna, Valentino, Tag Heuer,  Polo Ralph Lauren, Tissot, Bulgari etc.
 

        MUITO CUIDADO AO DIRIGIR NA FLÓRIDA 

Não se ouve buzina na Flórida - nem nas cidades, por maiores e movimentadas que sejam,  e muito menos nas rodovias. As placas de sinalização, em azul e/ou  verde, estão sempre visíveis e bem cuidadas. Há postos de assistência,com telefone, para comunicar acidentes - mas os sedans brancos da polícia vão chegar de repente, como se brotassem do chão.


A caminho de Orlando, rodovias muito vigiadas e com pesadas multas

Imagine você rodando por estradas moderníssimas, impecáveis, sem quebra molas, sem um buraco no asfalto, rodeadas de gramados e verde nos dois lados - e você ao volante de carros de luxo Oldsmobile, Lincoln, Mercury Marquis, Ford Granada,  Pontiac, Mustang, Dodge, Chrysler - e, dependendo de sua conta bancária, pode ser até uma Ferrari conversível, Lamborghini, Maseratti, Porsche 911, BMW, McLaren,  Audi etc. Estar em Orlando é sonhar acordado - daí o cuidado necessário para não pisar na bola..

As estradas são um capítulo à parte, porque são vigiadas por uma rede de radares (quase sempre ocultos em árvores) 24 horas por dia, 365 dias por ano. Cuidado, portanto, com os limites de velocidade, pois as multas são exorbitantes. Os policiais em serviço são rigorosos - e grosseiros e com cara de mau, quase sempre. Um toco de cigarro atirado na estrada resulta numa multa de 500 dólares, mais de R$ 2 mil. Aqui não existe a lei do Gérson, levando vantagem em tudo, ou a política do jeitinho.

O turista que tentar subornar o guarda vai preso e algemado para a delegacia, e terá de pagar uma fiança altíssima. Então, todo cuidado é pouco. Não deixe suas férias se transformarem num inferno.


Hélio Fraga- 07/10/2019

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

DEPOIS DA COSTA DO SOL E ANDALUZIA, O ESPERADO REENCONTRO NA BELA LISBOA










A luminosa e resplandescente  Lisboa me espera, e estou morrendo de saudade. Pois ela, majestosa e acolhedora, cheia de encanto e beleza, não desconfia da tremenda falta  que ela me faz. Acostumado a visitá-la ao menos duas vezes por ano, em maio e setembro, desde que começaram em 2008 os voos diretos da TAP Portugal entre Lisboa e o Aeroporto de BH/Confins, tive de interromper essas viagens em meados do 2017, em razão de duas cirurgias,uma no Hospital Madre Tereza (aneurisma da aorta) e a outra mais recente no Hospital Mater Dei Contorno (cirurgia de intestino), que o programa Cemig Saúde reserva para mim sempre que necessário, e com a competência e cuidados habituais.



Para sorte nossa, e numa feliz coincidência, está confirmada a presença de um novíssimo A339, símbolo do Airbus A330-900 Neo de última geração da TAP Portugal, levando 298 passageiros, numa viagem de 8h30, até a capital portuguesa, voo TP-104, com decolagem de BH/Confins às 17h desta próxima quinta, dia 26. Estarei passando por Lisboa na manhã de sexta-feira, dia 27,a caminho de Málaga,na Espanha, que é a porta de entrada de nossa excursão de 14 dias pela Costa do Sol e Andaluzia. O trecho será feito por um ATR 72/600 da Portugália, para 70 passageiros, voo TP-1134, decolando às 7h45 e pousando às 10h20 locais, 1 hora a mais na Espanha.

Este  programa foi organizado pela Alpino Trismo,  agência de Márcio Ramos e Madeleine para  um grupo de aposentados da Cemig, com serviços da Fred Tour (de Frederico Bauer, ex-Alitália) e operados pela Mapa Plus. Com hotéis de 4 e 5 estrelas, e uma refeição por dia no pacote Plus, além de dois espetáculos de dança flamenca com ceia, o grupo vai conhecer ou rever a Costa do Sol, Ronda, Medina Sidonia, Jerez de La Frontera, Cádiz, o histórico  Porto de Santa Maria, Sevilha, Córdoba, Granada, Valencia, Barcelona, Zaragoza  e Madrid. Passagens da TAP custando mais de R$ 5 mil por pessoa, e parte terrestre a partir de 2.150 euros por casal, financiados em 8 vezes no cartão. O grupo tem 11 casais, mais oito duplas de senhoras que sempre viajam juntas, quase sempre viúvas.


Terminado  o giro pela Andaluzia,visitando basílicas, mesquitas deixadas pelos árabes, palácios, construções históricas que são patrimônios da Humanidade - como a Torre La Giralda, em Sevilha, e praças de touros como a de Málaga - além de uma passagem pela famosa adega de Tio Pepe, e conhecendo casas de shows e danças folclóricas espanholas,  aí o grupo embarca em Madrid na manhã de 9 de outubro, tomando o voo TP-1023, num Airbus A-319, às 7h20 da manhã e pousando em Lisboa às 7h40, com  ganho de 1 hora no fuso horário,  e fazendo a conexão para o voo TP-103, às 10h, novamente no excepcional Airbus A330-900 Neo, com destino ao Aeroporto de BH/Confins, com pouso previsto para 15h30, hora nossa.



Meu destino será diferente: despedida dos colegas na chegada a Lisboa,  tomar um táxi para o Hotel Mundial, onde temos reserva de um apartamento duplo no 9º andar,  com sacada e  vista geral para a Praça Martim Moniz, e vista do Castelo de São Jorge no alto da montanha  à nossa direita. Lisboa nos espera e vamos nos esbaldar. Com certeza, Bernardo Mesquita vem do Porto para nos encontrar, e participar de reunião da cúpula da rede  hoteleira Vila Galé. O velho amigo Nuno Sardinha, dos Cassinos do Estoril e Lisboa (este no Parque das Nações) vai nos encontrar com sua esposa Beatriz. Havendo condição, um casal amigo deve vir de Funchal,  capital da Ilha da Madeira: Isidro Pita e Jacinta, do Hotel Vila Galé Santa Cruz. Eles têm 3 filhos, e as duas moças são encantadoras. A família é muito envolvida com o turismo, e Isidro já nos acompanhou (um guia competentíssimo) em três visitas à Madeira, a ilha da minha paixão

E minhas queridas amigas, as três Marias da loja Mundo das Malhas, estarão nos esperando para o reencontro tão aguardado por nós. Elas se chamam Maria Helena, Maria Fernanda e Maria Elizabete. O dono da loja é Carlos Augusto, brasileiro de Niterói radicado em Portugal há vários anos. As três são nossas amigas fiéis há mais de 15 anos. Conhecem a história do Menino Valente e tudo que aconteceu na nossa vida. Acompanham por fotos o crescimento dos netinhos. São como a nossa família em Lisboa.
                  UMA CASA PORTUGUESA, COM CERTEZA

Nos tão distantes anos 50, quando a maioria de meus leitores nem era nascida, eu já amava Portugal de longe. Era um rapaz de 15 anos,  cheio de sonhos na cabeça, e o rádio era uma das escassas formas de comunicação com o mundo. Havia três rádios muito fortes em Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, no Sudeste brasileiro: rádios Mineira, Guarani e Inconfidência. Nem existia ainda a Rádio Itatiaia, que através dos anos se tornou um império de qualidade, poder e prestígio. Nas rádios antigas, fazia sucesso uma música da cantora lusitana Esther de Abreu: Uma Casa Portuguesa, com certeza,

Dizia assim: -"Numa casa portuguesa fica bem / pão e vinho sobre a mesa /e se à porta humildemente bate alguém /senta-se à mesa com a gente. / Fica bem esta franqueza, fica bem /que o pobre nunca desmente  / pois a alegria da pobreza está nesta grande riqueza de dar e ficar contente. / Quatro paredes caiadas, um cheirinho de alecrim/ um cacho de uvas douradas,quatro rosas num jardim;/ /um São  José de azulejos sob um sol de primavera; / uma promessa de beijos, dois braços à minha espera; /é uma casa portuguesa,com certeza /com certeza é uma casa portuguesa". Eu cantarolava isso enquanto trabalhava como balconista no armazém de meu pai, na Rua Platina com Monasita (hoje Dr. Gordiano), na divisa entre Prado e Calafate.

As sucessivas notas 10 em Português, Geografia e História, e suadas notas 4 em Matemática, Física e Química, no Colégio Santo Agostinho (de padres espanhóis) talvez indicassem um possível jornalista anos adiante, antes de fazer o vestibular em Direito da UFMG  já nos anos 60. Antes de conhecer o mar e as praias do Rio, eu já me imaginava em Lisboa e outros recantos de Portugal, como Fátima, Óbidos, Nazaré e Batalha. E hoje, depois de completar 97 países visitados, confesso essa paixão viva  por Portugal em primeiro lugar, e a Itália em segundo, por ter me casado com uma filha de italianos, cujo sangue corre nas veias de meus 4 netos.

Não estou fazendo História, mas contando pedaços de uma vida já longa, com a graça de Deus - eu que imaginava morrer aos 50 anos, numa Redação de jornal, em frente a uma máquina de escrever Remington, como aconteceu com colegas meus - Felipe Drummond, Wander Moreira, Alberto Cunha, Waldir Lau e outros, já nos anos 60 e 70. Jornalismo, quando vivido intensamente, sem pensar em horas extras ou compensação  financeira (ganhei sempre salário de fome) mata rápido e traiçoeiramente, na tocaia dos derrames, infartos e AVCs.   

Aqui estou eu, aos 82 anos, não tão lépido e fagueiro como esperava, mas agora bem de saúde (finalmente!) e tremendamente beneficiado pelo bom Deus, que me deu esses anos extras através do marcapasso, para curtir bem os netinhos e levá-los a passear.

                       PESQUISANDO OS  HOTÉIS  DE LISBOA
 

Em Lisboa, minha casa portuguesa com certeza  se chama Hotel Mundial há mais de 20 anos, na Praça Martim Moniz 2, em pleno centro histórico. Mas cheguei a ele após longa pesquisa. São mais de 30 viagens, sendo duas pela Varig, a convite, e as demais pela antiga Transportes Aéreos Portugueses, quase sempre pagando (tenho mais de 220 mil milhas). Sou do tempo dos Boeing 707 e Lockheed Tristar com pintura antiga. Lembro-me da velha TAP acomodada, quase burocrática, e reconheço sua grande fase atual, após a privatização em 2015 (David Neeleman da Azul à frente). A TAP está se agigantando e acaba de completar 100 jatos, sendo nove deles A339 (o novíssimo Airbus A330-900 Neo) e dois novos A321 Long Range, que permitem voos diretos a Newark, Boston, NY e Washigton DC, e de Lisboa a Salvador, Recife, Fortaleza, Natal etc.

Voltando ao Mundial:  eu acompanhei o prédio em que nasceu no começo da Praça da Figueira, e  foi anexando novos terrenos naquela curva à sua direita.  O prédio, sempre com 9 andares, completou 360 apartamentos, com presença maciça de brasileiros, e também latinos em geral, escandinavos, franceses, italianos,  alemães e europeus do Leste. Através dos anos, me hospedei em vários outros hotéis: Sheraton, Ritz Intercontinental, Méridien, Tivoli, Pestana, Palace, Altis, Eduardo VII, Olissipo, Sana Malhoa, Vip Eden, Vip Executive, Dom Pedro, Vila Galé Ópera etc. Conheci o Mundial no começo dos anos 80, e a boa impressão foi tão forte que se tornou hotel definitivo. Sempre pagando, é preciso que se diga. As diárias, que variavam de 80 a 85 euros, estão agora na faixa dos 115, e o hotel vale. Podia até cobrar mais caro. Localização perfeita, perto de tudo, como do sistema de metrô.


                   HÁ TRÊS MARIAS QUE NOS ESPERAM 

Depois desta passagem pela Costa do Sol e Andaluzia, quero apenas rever e revisitar o que já conheço em Lisboa: Alfama e casas de fados, Estação de Santa Apolônia, Praça do Comércio e Terreiro do Paço, Cais de Cacilhas, Arco da Rua Augusta, Rossio, Restauradores, Avenida da Liberdade, Praça do Marquês de Pombal, o belo e bem cuidado Parque Eduardo VII, shopping Amoreiras, Rua Áurea, Rua da Prata, Rua dos Fanqueiros com a famosa loja Pollux, de porcelanas Vista Alegre - esta rua é famosa por suas lojas de roupas.

Nossa primeira  ação, logo após o café da manhã no  Mundial, é visitar a loja Mundo das Malhas, toda azul, na Praça da Figueira 13-A, onde estão as Três Marias, nossas maiores amigas em Lisboa - finas, educadas, atenciosas e que conheceram mais do Brasil através de nós. Maria Helena, Maria Elizabete e Maria Fernanda já fazem parte de nossas melhoras lembranças. São fãs do artesanato brasileiro. Já sabem que, se  vierem um dia a Belo Horizonte,vão ficar em nossa casa.

Embora sejam apenas dois dias desta vez (9 e 10 de outubro), claro que vamos ao Parque das Nações (estação Oriente) para  a indispensável visita ao Hipermercado Continente, com preços imbatíveis nos quesitos de vinhos do Porto, azeites extra virgem, queijos da Serra da Estrela e vinhos finos do Alentejo, Douro, Dão, Minho e outras regiões. De volta ao Rossio, vamos descer do  metrô na estação de São Sebastião, para acesso à loja de departamento El Corte Inglés, sempre cheia de novidades: roupas finas, moda esportiva, perfumes, brinquedos, vinhos, alimentos em  geral. O turista tem direito à devolução do imposto IVA, processando no aeroporto  os formulários na volta ao país de origem.

Claro que vamos à fábrica dos pastéis de nata, ou de Belém, nome do bairro, com bondinho na porta, na região onde está a mais  bela construção de Lisboa (Mosteiro dos Jerônimos), boa chance para revisitar a histórica Torre de Belém, o Monumento aos Descobridores Portugueses, a Ponte 25 de Abril no bairro Alcântara, região que é também terminal de cruzeiros marítimos.

Visita garantida também aos restaurantes enfileirados na Rua das Portas de Santo Antão, perto do Teatro Dona Maria I. Na nossa opinião, o melhor bacalhau à Lagareiro está no restaurante Inhaca, no lado direito da rua, para quem vem do Hotel Mundial ou da Praça Dom Pedro IV (Restauradores). O preço é ligeiramente mais caro do que na concorrência, mas o serviço é melhor do que nos restaurantes Torremolinos, Santiago, Milano, O Churrasco, Ramiro e outros.

Outro programa garantido: ir de metrô ao Cais do Sodré e comprar bilhete no trem para Cascais e  Estoril, que corre à beira-mar e sai de 20 em 20 minutos. Entre as atrações de Cascais, estão uma feira de toalhas portuguesas bordadas à mão e as sardinhas na  brasa com vinho branco Planalto. Mas,se o turista vai de cerveja, pode escolher entre a Sagres, patrocinadora do campeão Benfica, ou a Super Bock, que patrocina o F.C. do Porto (Dragão), que é o time de meu coração em Portugal. Aqui, eu tenho time até na Terceira Divisão, que é o Leixões que tem entre seus benfeitores meu querido amigo médico Henrique Gil da Costa, ilustre morador da Cidade do Porto. Henrique e sua esposa Júlla, companheiros de cruzeiros marítimos, que me deram o melhor presente de 80 anos: vir de Portugal a Belo Horizonte exclusivamente para participar de uma festa íntima.  Isto vale mais do que ouro. A amizade,quando verdadeira, se transforma numa joia preciosa.

-----------

PS: O próximo blog, que minha filha vai postar em 04 de outubro, fala sobre o voo inaugural da Azul Linhas Aéreas para Fort Lauderdale, na Flórida, confirmado para 16 de dezembro. Previsão de que a aeronave escolhida seja o A339 - Airbus A330-900 Neo. Decolagens de BH/Confins às segundas, quartas e sextas-feiras, com serviços de classe executiva, Economia Premium e tarifa econômica básica. Informações e reservas pelo 4003-1182.  Já que perdemos em definitivo (governo mineiro imprestável, desatento e omisso ) os voos regulares da American Airlines entre BH e Miami, esta ligação para Fort Lauderdale merece apoio de todas aquelas entidades que dizem (ou fingem) trabalhar pela recuperação do Turismo em Minas Gerais. O voo internacional é mais uma prova que a Azul acredita e confia em Minas, tanto que lidera, disparada, as estatísticas no Aeroporto Internacional de BH/Confins. Está na hora de termos voos da Azul também para Buenos Aires, Santiago do Chile e  Montevidéu.

------------

Belo Horizonte/MG - Brasil
25 de setembro de 2019
Editor - Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

Email: hfraga,rmj@gmail.com