quinta-feira, 23 de janeiro de 2020

PARA OS MINEIROS, IR A NOVA YORK PELA AZUL, VOANDO DE CONFINS VIA VIRACOPOS

Na Rua 42, destaque para a cúpula prateada do Chrysler Building,  um dos mas belos prédios de NY
 
Uma novidade da Azul Linhas Aéreas para os passageiros de Minas Gerais, a partir de 15 de junho próximo: um voo direto do Aeroporto de Viracopos, em Campinas,gastando nove horas no percurso até o Aeroporto de JFK, em Nova York. O voo terá o número AD-8700, partindo de Campinas às 20h30, diariamente, e pousando em JFK às 5h30 da manhã seguinte. Os mineiros embarcam em Confins para Campinas no final da,tarde, fazendo a conexão em Viracopos, com espera mínima. Na viagem de volta, voo AD-8701, partidas diárias de JFK às 23h30 locais, com pouso em Campinas às 10h30 locais e novamente conexão rápida para Belo Horizonte.

O equipamento utilizado nesta rota será o jato Embraer 195 (118 lugares) de Confins para Viracopos e, a partir de Campinas, será o Airbus A330-200, com 242 poltronas com monitores de TV em todos os assentos, e serviço de bordo que inclui jantar com três opções de pratos quentes, e bebidas,como vinho, cerveja, uísque, água e refris sem qualquer pagamento. Há também 35 poltronas na classe executiva, com serviço diferenciado, pois elas reclinam 180 graus. A bordo, há vários  canais de músicas, filmes e programas informativos. E também internet wi-fi.

A Estátua  da Liberdade, na entrada do porto de Nova York

A partir de JFK, em serviços compartilhados com a norte-americana Jet Blue, a Azul oferece conexões para a capital Washington-DC e também Boston, Chicago, Detroit, Austin e Houston (Texas) e ainda Seattle,San Francisco, Los Angeles, Las Vegas, Denver, Salt Lake City, Phoenix e outras cidades. A Azul espera atrair para Confins - onde lidera as operações com ampla vantagem sobre Latam e Gol (a Avianca fechou mesmo) -  passageiros em conexão para NY procedentes de Goiânia, Palmas-TO, Vitória-ES, Campo Grande, Cuiabá e outras cidades. Ir via Confins é mais rápido do que via Guarulhos.

Através dos telefones 4003-1118 ou 4003-1182 (este para os clientes portadores do cartão  Tudo Azul, as reservas estão abertas 24h por dia. Muitos mineiros não sabem que, quando ligam para a empresa,  através do CPF deles, suas chamadas são desviadas de São Paulo para atendimento da Azul em Belo Horizonte, pois a empresa tem uma central de serviços e operações no bairro do Prado,  perto do DI da Polícia Militar de MG,na rua Diabase.

Em qualquer época do ano, Nova York é sempre um destino turístico muito convidativo. Agora é inverno por lá,com muitas tempestades de neve, voos cancelados e bloqueios de estradas. Mas os turistas que vão lá nesta época do ano  estão se divertindo nas pistas de patinação no gelo no  Wollman Rink, no Central Park, ou no coração de Manhattan,onde fica a pista do Rockefeller Center,ao pé da estátua dourada de Prometeus. Há aluguel de agasalhos,óculos especiais para neve, capacetes, esquis  e patins para os esquiadores e patinadores. 

No Rockfeller Center, os patinadores no gelo se divertem na ampla pista


Fica muito perto do Rockefeller Center a Catedral de St. Patrick, uma das maiores igrejas católicas do mundo, na esquina da Quinta Avenida com Rua 50 (50th Street), O  inverno deles acaba em abril, já na primavera americana, que coincide com nosso outono. O verão no Hemisfério Norte acontece em junho, julho e agosto, meses muito quentes mesmo, com temperaturas de até 45 graus. E quando vier a nossa primavera, em setembro, será o outono deles (Fall), com suas árvores com folhas amarelas e vermelhas - um dos grandes espetáculos de Nova York, todos os anos. Mas isso é tema para futuros blogs.
 
 

A Catedral de St. Patrick fica na Quinta Avenida, esquina de Rua 50, junto ao Rockefeller Center


            VIAGENS PARA JANEIRO E O CARNAVAL

Vejam algumas sugestões de viagens para este final de janeiro e a temporada do Carnaval:

1) FOZ DO IGUAÇU - uma viagem de 5 dias, com partida em 25 de janeiro, com passagem aérea e transfers, e 4 diárias de hospedagem com café da manhã no Manacá 4Soul, categoria 3 estrelas.. Passeio ao lado brasileiro das Cataratas do Iguaçu, vista panorâmica da Hidrelétrica de Itaipu e passeio ao Vale dos Dinossauros (não inclui ingressos). Preço de apenas R$ 1.404 por pessoa,em 12 parcelas iguais de R$ 117. Oportunidade de compras cruzando a Ponte da Amizade em direção a Ciudad del Este,  antiga Puerto Sroessner de décadas passadas.
 
 
 

2) FÉRIAS EM MACEIÓ - também com partida em 25 de janeiro, temporada de 8 dias em Maceió, a bela capital de Alagoas, com passagem aérea e traslados, e sete dias de hospedagem no Lagoa Mar Inn Hotel, 3 estrelas, com café da manhã. Sua oportunidade de conhecer o melhor do artesanato alagoano na Feirinha de Pajuçara, com incríveis pechinchas e toalhas de mesa feitas pelas rendeiras da Lagoa de Mundaú. Custo do pacote por $ 1.788 por pessoa, em 12 parcelas de R$ 149.

3) CANA BRAVA RESORT - esta é uma das grandes atrações do turismo baiano, na região de Ilhéus e Olivença. Sete noites de hospedagem num resort de 4 estrelas, com tudo incluído no preço final. A partir de R$ 4.416 por pessoa e duas crianças de graça com os pais. Claro que inclui bagagem despachada e passeio. Saída em 25 de janeiro. Financiamento em 12 parcelas sem juros de R$ 368. A praia de Olivença é considerada uma das mais bonitas da Bahia. E você pode conferir também  as atrações de Ilhéus, com seus destaques habituais,como o Bar Vesúvio e o Bataclã.

4) LA TORRE RESORT NA BAHIA - uma viagem de oito dias a Porto Seguro, a Terra do Descobrimento, onde começou a história do Brasil em 1500. Sete noites de hospedagem nesse resort de luxo,5 estrelas, com tudo incluído. Bebidas à vontade,a qualquer hora.  Custo de R$ 4.488 por pessoa, com financiamento em 12 prestações de R$ 374. Embarque pela CVC em 8 de fevereiro.

5) VILA ANGATU RESORT & SPA - eis a sua oportunidade de conhecer este que é um dos novos resorts do litoral brasileiro. Viagem de 8 dias e hospedagem com tudo incluído. Custo de R$ 3.638 por pessoa, em 12 mensais de R$ 363. Embarque em 9 de fevereiro.Quem já esteve lá gostou e aprovou, falando das belezas da região e o conforto e categoria do novo resort.

6) NATAL, SEMPRE BELA E ACOLHEDORA - uma viagem de oito dias à bela e acolhedora capital do Rio Grande do Norte, com sua Via Costeira, praia de Ponta Negra e o Morro do Careca, forró dos turistas na antiga Casa de Detenção, visita ao histórico Forte dos Reis Magos, mais o rico artesanato local e bons passeios, como praia de Pipa e  lagoa de Pitangui. Sete diárias de hospedagem no Infinity Natal Praia Hotel, 3 estrelas, com café da manhã. Passeio pela cidade e compras nos shoppings. Embarque em 1º de fevereiro. Custo de  R$ 1.524 por pessoa e financiamento em doze parcelas iguais de R$ 127. Natal vale a pena, podem crer.

7) CARNAVAL  NA SERRA GAÚCHA - embarque do grupo em  23 de fevereiro. Passagem aérea, traslados e sete noites de hospedagem na Pousadas Flor de Mel, 3 estrelas, com café da manhã.  Passeio pela cidade e bagagem despachada nos voos.  Boas compras em finas lojas de casacos e saias de couro. Preço por pessoa de R$ 1.632, em 12 parcelas sem juros de R$ 136.

8) IBEROSTAR BAHIA RESORT - este nome dispensa apresentações, porque é um dos mais famosos resorts do Nordeste,na Praia do Forte, com instalações magníficas, ótima comida e muito conforto. O pacote de 8 dias custa R$ 5.588 por pessoa, com financiamento em 12 prestações de R$ 558. Embarque em 21 de fevereiro. Não estranhe o preço, porque na época de Carnaval é assim mesmo.Os preços dobram.



9) CALDAS NOVAS, GOIÁS - as piscinas de água quente em Caldas Novas, nas serras de Goiás, atraem turistas do Brasil inteiro. Antes do Carnaval, há um pacote com embarque em 5 de fevereiro, com duração de 5 dias, com hospedagem no Golden Dolphin Express. Gratuidade para duas crianças no apartamento dos pais. Preço à vista de R$ 972 por pessoa, ou 12 parcelas de R$ 81. Reservas e mais informações nas lojas da CVC de sua preferência nos vários shoppings da capital de Minas.



     DONA CATHARINA DEIXOU MUITAS SAUDADES


Ela foi pioneira das grandes recepções de luxo em Minas


A sra. Catharina Matos (não sei se com dois Ts) foi embora, ao encontro do Pai  na vida eterna, e certamente deixou muitas saudades em Minas Gerais. Nos anos 90, com grande visão empresarial, ela implantou em Belo Horizonte, em ponto privilegiado da Av. Raja Gabaglia, aquele que rapidamente se tornou o melhor buffet da cidade, palco de centenas de eventos sociais de altíssimo nível nas décadas seguintes. Poucos sabem que ela começou sua carreira de banqueteira  e de chefe de cozinha no Palácio da Liberdade, onde foi uma estrela de primeira grandeza.

Não pude transmitir pessoalmente, ou por telefone, meus sentimentos a toda a família, através de sua filha e sucessora, Virginia Matos Menezes,que foi seu braço direito em todos esses anos. As outras duas filhas são Cristiane Matos e Simara Couto. Catharina sempre respeitou seus parceiros e clientes e foi por eles respeitada. E sempre foi admirada pelas suas concorrentes, como Celia e Patrícia Souto Mayor. Além do luxo de seus ambientes, como o salão Versailles, o Buffet  Catharina é um dos melhores redutos da cozinha brasileira e internacional. Um verdadeiro cartão de visitas de nossa BH.

Havendo oportunidade, talvez eu lhes conte um dia, com minúcia de detalhes,  o único negócio que fiz em minha vida com Dona Catharina: a recepção de casamento de minha única filha, em 14 de  julho de 2000, no Salão Versailles, para 550 convidados. Tudo pago com recibo, como foi combinado. Não sei se ela imaginou que, sendo  jornalista e editor de um premiadíssimo Caderno de Turismo, eu seria tentado a propor algum desconto,facilidade ou tipo de permuta. Isso nunca foi minha praia, graças a Deus. Os recibos estão  guardados até hoje.

Quando eu morrer, meus netos jogam fora.
 
------------

Belo Horizonte/MG - Sudeste do Brasil
Dia 21 de janeiro de 2020
Editor- Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

terça-feira, 7 de janeiro de 2020

EM COPACABANA, A MAIS BELA VIRADA DO ANO


Explosão dos fogos em Copacabana, uma sucessão de belíssimas imagens


Entramos em 2020 como se nossas baterias foram recarregadas a um só tempo, renovando nossa fé interior e as esperanças de cada coração.  Parece que, antes mesmo da meia-noite de 31 de dezembro, na despedida de 2019,  o clima da maravilhosa comemoração do Réveillon na praia de Copacabana, no Rio, nos contagiou por antecipação e se criou um vendaval de otimismo. Se o ano passado foi animador, em termos da recuperação do Brasil - moral, ética, institucional e financeira -, 2020 será melhor ainda. E todos devem estar bem preparados - que cada um de nós ajude como puder.

Foi com este espírito que saí de casa rumo ao clube  Minas II, nas Mangabeiras, onde ganhamos por sorteio uma mesa em frente  ao palco, na área gramada, com alimentos e bebidas por conta dos sócios premiados. Éramos seis: os avós, a filha, o genro e os dois netos gêmeos de 11 anos. Que bom estarmos juntos e unidos, mais uma  vez. O Minas Tênis Clube fez mais uma  festa de gala, organizadíssima, com a classe de sempre. E muita gente, como nós, não sabia que no começo da madrugada ia se apresentar a bateria premiada da Mocidade Independente de Padre Miguel, com suas passistas.

Desta vez, o show de fogos foi modesto e mais curto, se comparado com anos anteriores. Como voltei para casa antes de 1h30 da madrugada, doido para ver na TV  a repetição das imagens da virada do ano em Copacabana,  acabei perdendo a bateria e suas dançarinas. Me disseram depois que eram mulatas tipo exportação, dignas de figurar nas "Certinhas do Lalau", do saudoso Stanislaw Ponte Preta. Ao sair do Minas II,  tinha comigo a certeza de que foi uma das mais belas festas do clube, festeiro por natureza. Público imenso superlotando suas dependências. Gente alegre, animada, de bem com a vida. Todo mundo parecendo feliz de verdade e não fingindo uma alegria falsa . Havia felicidade no ar.

Voltemos então a Copacabana: vi e revi tudo que foi regravado, e acredito que foi a melhor e maior de todas as viradas do ano, digna de ser considerada a número 1 do mundo - que me desculpem Times Square em NY, Trafalgar Square em Londres, Champs-Elysées e Arco do Triunfo em Paris, o  Coliseu de Roma e a Porta de Brandemburgo em Berlim. O Rio deu um show de bola, parecia até estar comemorando o título mundial que perdeu para o Liverpool. Os cariocas estavam realmente eufóricos, trocando beijos e abraços, estourando espumantes, na maior confraternização.

Segundo a Riotur, 1.750 mil turistas estiveram presentes, 70 por cento deles brasileiros de todos os cantos do país. A rede hoteleira esteve próxima dos 100% de ocupação. No total, a orla marítima recebeu 2,9 milhões de pessoas, segundo a Globo, ou 3 milhões, pelos cálculos da Band News. Acredita-se que o público mais realista seja de 2,8 milhões. 

Algumas cenas do Réveillon Carioca de 2020 são inesquecíveis. Imagens de arrebentar, de perder o fôlego. O maravilhoso espetáculo de fogos durou exatos 14 minutos, e foram gastas 16,9 toneladas de foguetes de todos os tipos e potências. Os fogos foram disparados de 10 balsas, estrategicamente colocadas, e as imagens foram retransmitidas por sete telões. Havia também 16 torres de comunicação com sonorização. A PM carioca a instalou 30 torres para o controle da multidão. Uma das mais belas imagens da noite foi esta aqui abaixo: fachos de luzes azuis sobre a figura do Cristo Redentor, e seu contraste com os fogos explodindo em Copacabana, que parecem muito mais próximos do que na realidade.

Os quatro palcos para exibição de artistas e conjuntos musicais foram assim instalados: palco 1, no Leme, perto da Rua Anchieta e não muito distante do Hotel Hilton, que foi o antigo Le Méridien Copacabana e ex-Windsor Atlântica;  o posto maior e principal, em frente ao Belmond Copacabana Palace, na altura da Rua Rodolfo Dantas, onde se apresentaram os artistas mais famosos; palco 2, próximo do Hotel Marriott, na altura da Rua Figueiredo de Magalhães; e palco 3, próximo dos hotéis Pestana Rio Atlântica e Rio Othon Palace, perto da Rua Bolivar, no Posto 5. Os shows foram das  19h até 3h da madrugada. Vários cantores e bandas se apresentaram, como Diogo Nogueira, Ferrugem e Allyrio Mello. O fim da festa, no palco central, teve a bateria da Mangueira com seus passistas e mulatas esculturais. (Detalhes da festa trazidos pelo amigo e colega do Minas II, Paulo Castanheira, que estava lá com toda a família).


Os 4.500 metros de extensão da Av. Atlântica, desde o Caminho dos Pescadores até o Forte de Copacabana, no Posto 6, foram totalmente tomados pela multidão, que transformou trechos da praia  em propriedade privada, com  tendas protegidas por cordas, o que é ilegal. Para cuidar da segurança, a PM do Rio utilizou 112 viaturas e 2.049 policiais. Equipes da Guarda Municipal utilizaram 531 pistolas de eletrochoque para coibir pequenos delitos. Para o patrulhamento de trânsito e ações de fiscalização, a Guarda Municipal utilizou ainda 1.774 agentes e 122 carros e motos. O trânsito contou ainda com 700 agentes da Prefeitura, 45 viaturas e 40 motos. A multidão presente teve acesso a 800 banheiros químicos. O Rio se esforçou pacas para dar conta de tantas tarefas.


Entrei em 2020 acreditando que o Brasil vai superar todos os seus problemas, a começar pelo fim do drama dos milhões de desempregados, maldita herança de administrações passadas. Esperamos, todos nós, que os políticos sejam menos desonestos e parem de roubar o país. O dinheiro desviado para o  caixa das  empreiteiras corruptoras e seus parceiros tem de ser recuperado e aplicado na  segurança pública, no reaparelhamento dos hospitais e postos de saúde, no saneamento básico, na educação, nos programas de defesa do meio-ambiente e na correção de todos esses desequilíbrios. O  povo brasileiro custa a acreditar que o Supremo Tribunal Federal um dia estará a serviço dos cidadãos, dos estados e dos municípios falidos, e não defendendo corporações, afilhados políticos e criminosos do colarinho branco. E que haja, de fato, reforma política e administrativa.Que magistrados parem de vender sentenças e libertar presidiários que realmente roubaram do povo - então, voltem para a cadeia, e depressa, porque já causaram danos demais ao pais. Têm penas a cumprir, e a partir da segunda instância - não como o STF erradamente decidiu.

Florianópolis, a explosao de fogos no alto da Ponte Hercilio Luz


          APRENDENDO A FAZER FESTA COM O RIO



Parece que os brasileiros estão aprendendo a passar o Réveillon fora de seu endereço residencial.  Com o dólar e euro tão  supervalorizados, fica difícil pensar em Nova York, Paris, Londres, Roma, Berlim,  Bruxelas, Amsterdam, Miami e Orlando.  Mas dezenas de mineiros optaram por viagens pelo Brasil mesmo  e foram curtir a virada do ano na Bahia, Praia do Forte, Recife, Olinda, Alagoas, Jericoacoara,Cumbuco, Praia de Touros-RN, Olivença, Ilhéus,  Porto Seguro, Arraial d"Ajuda, Trancoso,  Pantanal, Cataratas do Iguaçu, Amazônia e Belém do Pará.

Vários Estados comprovaram que aprenderam a comemorar o Réveillon à moda do Rio - como foi demonstrado fartamente pelas emissoras de TV: a cascata de fogos do alto da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis, depois de passar 30 anos interditada; a beleza da festa na orla de Camboriú, com seus prédios altíssimos; a  categoria da passagem de ano no Farol de  Salvador, comandada pela agitadíssima  Ivete Sangalo;  a cascata de fogos em  Fortaleza, na Praia de Iracema; a espetacular celebração da virada na praia da Boa Viagem, e em Olinda e no centro histórico de Recife; e a qualidade das festas em Brasília, Vitória, Goiânia, Palmas, Belém, Maceió, Natal, Campo Grande, São Luís e outras grandes  cidades. 

O Rio fez escola. Ensinou o Brasil a fazer uma virada de ano com estilo e sem medir gastos. Quem não pode viajar comemora em sua própria  cidade. E tem esse direito, com pagador de impostos.


Estranhei muito que a Rede Globo, que não se cansa de repetir que tenta ser cada vez mais mineira, não tenha feito qualquer divulgação dos fogos do Réveillon na orla da Pampulha, em Belo Horizonte, por serem patrocinados por uma emissora concorrente. Mas,  para não deixar BH  esquecida na competição nacional, a Globo podia ter transmitido pedaços da linda festa do Minas II, nas Mangabeiras,  e mostrar a beleza e intensidade dos fogos no Aglomerado da Serra, a maior favela da Capital mineira, rivalizando com os bairros considerados mais ricos - como Belvedere, Savassi, Lourdes, Santo Antônio, Anchieta, Serra e Carmo-Sion.
Pampulha, o show de fogos promovido pela TV Alterosa
Parabéns à antiga TV Alterosa por manter,  já por 30 anos, esta comemoração do Réveillon na orla da Pampulha, reunindo milhares de pessoas, vindas de outros Estados e municípios do Oeste mineiro, da Zona da Mata, da Zona Metalúrgica e da Grande BH. O espetáculo de fogos durou 12 minutos,, com oito plataformas de disparos, sendo  quatro fixas e quatro flutuantes, próximas da Igreja de São Francisco de Assis, Praça de Iemanjá,  Av. Octacilio Negrão de Lima e Museu de Arte. Em vez da habitual pressa de desmontar todas as estruturas de decoração na cidade, assim que chega o Dia de Reis (hoje), seria muito bom se a iluminação da Praça da Liberdade fosse mantida intacta, pelo menos até o final de janeiro. Um problema fácil de resolver, porque contamos com a qualidade, competência e eficiência da Cemig, orgulho e patrimônio do povo mineiro. 

A gente sabe que a Prefeitura de BH não tem intenção de prolongar a festa.

--------

Neste 2020 que começou, faço votos de que haja uma grande dose de fé e esperança no coração de todos os brasileiros, e desejo a cada leitor deste blog tudo do  melhor: muita luz e paz, muita saúde, muita união e fraternidade, corações abertos e mãos estendidas em diálogo e solidariedade - e que Deus nos mantenha juntos por muitos anos  mais.


NOVO AIRBUS A321NEO: VIRACOPOS E SALVADOR

Com 214 poltronas, o Airbus A321neo vai operar as rotas nacionais de maior demanda


Uma grande notícia  nesta primeira semana de 2020: a Azul Linhas Aéreas lançou uma nova rota entre  Viracopos-Campinas e Salvador da Bahia. O novo equipamento será o Airbus A321neo, o mesmo jato que a TAP vai colocar nas rotas entre Lisboa e as principais capitais do Nordeste - como Fortaleza, Salvador, Natal, Recife e Belém.  O A321neo também  vai operar o novo voo direto de Lisboa para o Brasil, rumo a Maceió, começando em meados de junho. O avião da Azul tem corredor único - portanto, lugares ABC  na fila direita (em relação à  cabine de comando ) e DEF no lado esquerdo.

Na versão da Azul, são 214 passageiros por voo, com mais espaços entre as poltronas e uma TV miniatura no verso de cada poltrona, e ainda mais opções de canais de TV  (inclusive futuras imagens diretas) e internet wi.fi a bordo. Promessa do presidente da Azul, John Rodgerson, e seu vice-presidente de Receitas, Abhi Shah.

O A321neo decola de Viracopos às 16h55, voo AD-2576, pousando no Aeroporto Internacional de Salvador às 19h20, uma hora a mais do que  em Brasília. O voo de retorno, com o número AD-2577, parte da capital da Bahia às 20h20 locais em direção a Campinas-SP. Como  nos demais voos da Azul dentro do Brasil, bebidas com cerveja, vinho, refrigerantes e sucos são servidos de graça, e água mineral à vontade - o que a diferencia das concorrentes Latam e Gol.

A Azul, que programou 40 mil voos extras nessas férias de verão,  opera habitualmente 854 voos por dia, para 116 destinos (são 225 rotas), e planeja trazer 13 modelos A321neo da fábrica da Airbus em Toulouse, no sul da França, para utilização nas rotas brasileiras de maior demanda. O próximo A321neo chega em 2 meses. Sua frota atual é de129 aeronaves. A empresa criada por David Neeleman, com oito anos de operação, tem 11 mil empregados.

---------------

Belo Horizonte-MG, Sudeste do Brasil
Dia 6 de janeiro de 2020
Editor - Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

A MORTE DE LUIZ FERNANDO PEREZ








Luiz Fernando Perez, torcedor do América, 78 anos, um dos mais brilhantes jornalistas mineiros


Ele foi muito mais do que um grande jornalista, de texto impecável e preciso, sem uma virgula fora do lugar. Teve sempre personalidade e objetividade, respeitando a privacidade alheia, convivendo com as divergências e respeitando as opiniões contrárias. Deu direito de defesa aos acusados e lutou bravamente pelos direitos sociais e contra as desigualdades. Foi o melhor amigo que alguém poderia ter, pela boa convivência, companheirismo e sentimento de fraternidade. Amou esta cidade, onde nasceu. Seu nome completo é Luiz Fernando Perez Pereira (mas sempre dispensou o Pereira), frequentou as melhores  Redações de Minas e sempre esbanjou talento em todas as funções exercidas - como a redação das melhores matérias divulgadas pela maior emissora da televisão mineira nos anos 60 e 70, através dos programas informativos tipo Repórter Esso - como Jornal Bancominas, apresentados por nomes consagrados como José Lino de Souza Barros, Jaime Gomide, Rubens Silveira, Roberto Márcio, Renê de Chateaubriand Domingues e outros grandes apresentadores da época.

Como um amargo presente de Natal aos cidadãos  mineiros, o jornalista Luiz Fernando Perez nos deixou no dia 24 de dezembro, falecendo aos 78 anos e sendo sepultado no Parque da Colina. Deixou viúva Maria Honorina de Souza Perez, e três filhos, três irmãos e seis netos. Entre os presentes ao seu velório, levado pelo filho Guilherme, o jornalista Guy de Almeida, maior revelador de talentos na imprensa de Minas Gerais -, a quem  tive a honra de apresentar Luiz Fernando, então com o segundo grau completo (ainda não havia Faculdades de Comunicação), candidato a uma vaga de repórter esportivo no recém-lançado jornal "Correio de Minas" e revista 3 Tempos, no começo dos anos 60. Então, fui padrinho de jornalismo para Luiz Fernando, Carmo Chagas, Antônio Beluco Marra e outros talentos que deram fama e qualidade à Imprensa mineira e nacional. Luiz Fernando teve um irmão jornalista (Rogério Perez, talento nato, que dispensa apresentações) e uma filha também jornalista, Adriana Perez, que está atuando na assessoria da OAB Nacional em Brasília -DF. Os filhos Luizinho, Rafael e Adriana lhe  deram seis netos - cinco mulheres e um rapaz.


A causa de sua morte foi um câncer, palavra à  qual ele nunca se referiu como doença, porque a chamava de "meu problema". Enquanto muitos fazem do câncer a Indústria da Piedade Alheia e do Sofrimento, Luiz Fernando o escondeu de todas as formas possíveis, utilizando o silêncio constante como o grande segredo de sua vida,e fez isso durante anos, passando por cirurgias,radio e quimioterapia, e tentando todos os recursos possíveis, durante mais de duas décadas. Como ele era meu padrinho de casamento, acabei sendo o depositário fiel de seu segredo. 

Luiz Fernando criou há anos a Confraria, para reunir seus colegas de jornada em um bar modesto e limpo, com salgadinhos feitos na hora e cerveja gelada,  uma vez por mês - sempre na 2ª terça-feira, às sete da noite. Em volta dele, estavam em média de 10 a 15 colegas de profissão, contando casos antigos e experiências de vida, ou jogando conversa fora. E eu, depositário de seu segredo, ficava ouvindo tudo aquilo e pensando que nenhum desses ex-colegas e amigos tinha a menor noção da gravidade seu estado e do breve tempo que lhe restava. Como a cerveja não combinava com alguns remédios fortes que  ele tomava, para despistar, ele e eu bebíamos limonada ou água mineral. Claro que o Chumba, dono do bar em Santa Tereza, não tinha a menor noção de seu problema.

Alguns desses  colegas assíduos: Sérgio Augusto Carvalho, Pantera, Vilma Fazitto,  Sérgio Prates, Antônio Melane, Ronan Ramos, Walter Serrano, Washington Melo, Olímpio Coutinho, Hiram Firmino, Walter Luiz e outros amigos. Os encontros passaram  há um ano para outro bar mais perto da casa dele. na Av. Francisco Deslandes, no Anchieta. Nas últimas semanas, ele já não conseguia andar - alegando joelhos inflamados - e teve de ser carregado para subir e descer as escadas de seu prédio, na Rua Campanha 35, perto da Igreja do Carmo, na Rua Grão Mogol.

Até quando pôde andar, Luiz Fernando ia habitualmente à missa de Frei Claudio van Balen, às onze da manhã, aos domingos, na Igreja do Carmo. Almoçava em casa, ao lado dos filhos e dos seis netos, genro e noras. Maria Honorina, esposa dedicadíssima, 24 horas por dia ao seu lado, sempre foi excelente cozinheira e atendia a todos os seus caprichos. Ela foi tudo a um só tempo: acompanhante de idoso, psicóloga, enfermeira, cozinheira, secretáaria  e assistente social. Desdobrou-se ao máximo. Nos momentos críticos, exausta, ela ficava desgastada sem ter a quem recorrer, só a família.

Luiz Fernando era do tipo família mesmo, muito ligado, sempre presente, um super-avô. Assim como foi ótimo irmão para Rogério, Nancy e Carmen, foi o melhor sogro possível para Antônio Cotta (Toninho), atualmente separado de Adriana; a nora  Elisa, casada com Luizinho; e a nora Fabiana, casada com Rafael. Este é formado em Engenharia Civil pela PUC-Minas e Luizinho (Luiz Fernando de Souza Perez) , formado em Administração pela Fumec.  Os amores do avozão: Letícia (20 anos) e Felipe (19) são filhos de Adriana e Toninho; Carolina (20) e Laura (13), filhas de Luizinho e Elisa; e Júlia (7 anos) e Rafaela (3 ), filhas de Rafael e Fabiana.

Tentando não me estender demais, devo dizer que Luiz Fernando sempre foi modestíssimo em relação à sua competência, e jamais almejou glórias acadêmicas, doutorados, mestrados, PhDs e outros tipos de consagração profissional ou projeção social. Seu texto sempre foi um dos melhores não da Imprensa mineira, mas da nacional. Parecia um Armando Nogueira, nosso ídolo. Também não lutou por dinheiro, mais poder ou cargos importantes. Cumpriu suas tarefas, deu conta de todas as missões. Não tinha ambição de mandar, parecia não gostar de dar ordens. Fui seu chefe duas vezes, e ele até exagerava na dedicação ao trabalho e na vontade de fazer bem feito. Claro que nunca falou ao serviço, nem reclamou horas extras. Quando o salário atrasava, ele entrava na fila da Redação para fazer um vale de 10 cruzeiros antigos.

Luiz Fernando foi um excepcional jogador de futsal, tinha um canhão no pé esquerdo, jogou bola pacas (eu sempre fui um goleiro frangueiro).  Podia ter sido atacante profissional do América, seu clube do coração, se quisesse. Creio que jamais aceitaria ser diretor de jornal ou de  emissora de TV. Seu ambiente era a cozinha da Redação, relendo matérias, refazendo textos, eliminando incorreções, dando sentido a certas opiniões - os outros apareciam às custas dele, como um certo arcebispo metropolitano com veleidades intelectuais. O "Estado de Minas" certamente se orgulha de sua contribuição, assim como o jornal "O Estado de S. Paulo", cuja sucursal mineira ele comandou por 15 anos. Luiz Fernando fez parte, também, dos anos mais gloriosos das TVs Itacolomy Alterosa, que deixaram tantas saudades - assim como ele deixa.



Numa festa de 80 anos no Minas II, em abril de 2017: Hélio e Ana Maria Noce Fraga, Luiz Fernando Perez e Maria Honorina, Leny e Erasmo Angelo, Walter Castro Leite e Maria Amélia, e Ronan Ramos de Oliveira -ao fundo, a pianista Leda Tavares


PS: Adeus, velho amigo e companheiro. Descanse em paz. Conforto, consolo e aceitação para sua família. Sua missa de 7º dia será na segunda-feira, dia 30/12, às 19h, na Igreja do Carmo.

---------

Do fundo do coração, meus votos de um feliz e próspero 2020 para os que acompanham este blog, e a todos brasileiros que pedem a Deus para jamais voltarmos a ser presididos ou governados por desonestos e corruptos;   e que a Lava-Jato cumpra sua missão até o fim.
---------

Hélio Fraga -Editor
Ana Cristina N. Fraga - Postagem e edição
28 de dezembro de 2019

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

BACHARÉIS DE 1965 NA FAC. DIREITO DA UFMG SE REENCONTRAM AOS 54 ANOS DE FORMATURA



 
       
 Se não foi tanta gente assim, como se esperava, foi um comparecimento bem razoável ao restaurante do 3º andar do Automóvel Clube de BH. Nossa previsão era de 45 a 50 bacharéis da turma de 1965, da Faculdade de Direito da UFMG, mas compareceram mais de 30 e houve cancelamentos de última hora, principalmente na ala feminina. Nilma Goulart veio de Brasília-DF, como sempre. E de BH compareceram Romilda Iris de Queiroz e Cidinha Vasconcelos Chagas compareceram, mas, entre muitas, foi sentida a falta de Ana Maria Braga e Silva, Nazareth Argemiro (com Roberto Rogério), Helena Aparecida Barbosa, Zélia Terezinha Mendes, Maria Thereza Pinheiro Lima, Glória Angelini Costa, Mayse Baeta  Nunes, Angela Maria de Freitas Senra, Nilce Madureira Leão, Marli de Carvalho, e outras estimadas colegas e brilhantes profissionais da Advocacia.

Entre os homens, a grande alegria e surpresa foi a presença do jornalista Carmo Ribeiro Chagas, mineiro de Inhapim, com sua esposa Léa, residentes em São Paulo, para onde ele foi em meados dos anos 60, logo após formar-se,  fazendo vertiginosa carreira na imprensa paulista: Jornal da Tarde, Estadão de SP  e revista Veja, participando da primeira equipe que preparou a revista para seu lançamento. Carmo ocupou, durante vários anos, a chefia da Redação da Veja, que continuo considerando o mais alto posto que um profissional pode exercer na Imprensa brasileira. Projetou-se nacionalmente como um excepcional jornalista, e depois como escritor. Foi descoberto por Guy de Almeida, nos anos 62/23, dirigindo em BH o jornal Correio de Minas e revista 3 Tempos, que acabaram fechando.

Ao lado de Léa, sua musa e inspiradora, Carmo foi muito festejado pelos colegas mais próximos, como o desembargador Roney Oliveira, José Octávio Alkmim Henriques, Marton Victor dos Santos, Antõnio Álvares da Silva (orador da turma), Aécio Bastos da Fonseca (veio de Brasília, onde é desembargador), Marcondes Franco e Silva, Laert  Paulo Silva Freitas,  Dilermando Mello,  Paulo Nonato Passini, Jonas  Emerich, Aloísio Quintão Belo de Oliveira, Roberto Lobosque Neves, Dirceu Capanema. e Ronaldson de Oliveira Naves. Namildes Souza Mendes, mais uma vez, percorreu os 740 km entre Almenara e a capital, para não faltar ao encontro anual dos ex-colegas.

Outras presenças importantes. Cel. Leonel Arcanjo Afonso, ex-comandante geral da PMMG, com sua linda esposa; desembargador Jarbas Carvalho Ladeira Filho muito animado na pista de danças; desembargador José de Aquino Perpétuo,  com seu livro Vida de Juiz, recentemente lançado no Distrito Federal; e ainda Aloísio Maciel Ferreira, Plauto Afonso da Silva Ribeiro, Vicente Nazareno, José de Anchieta.  A presença especial foi dos bacharéis Vicente Nazareno de  Oliveira, morador na Serra, e Francisco Péricles França, com suas famílias, pois já comemoraram 90 anos e foram homenageados. A música, nota 10, foi do conjunto Sui Generis, afinadíssimo e com grande presença no palco. Luiz e Júnia foram muito aplaudidos.


Algumas das ausências mais sentidas: Célio de Carvalho, Renato Reis, Gláucio Gontijo Amorim, Gilvar de Pinho Tavares, Juarez Dantas, João Bosco Cançado, des. Celio César Paduani, des. Pedro Henriques de Oliveira Freitas, des. Roberto Borges de Oliveira, Mauro Marcos de Castro, José Justino Braga Neto. Eram também esperados mas não puderam vir: Adriannus Utervaal, primeiro aluno da turma, residente no Rio; Guaimutes Gonçalves dos Santos, de Itabirito; Adelino Campos Ribeiro, de Acaiaca; Rogério Luiz Moretzsohn, de Piranga. O encontro dos 55 anos será em 5 de dezembro de 2020, primeiro sábado do mês, novamente no Automóvel Clube, evento anunciado ao microfone pelo desembargador aposentado Roney Oliveira.


Que Deus nos dê vida longa a todos.

    LEMBRANDO OS BACHARÉIS JÁ  FALECIDOS

A coluna de Mário Fontana, no Estado de Minas, já havia citado os nomes de alguns bacharéis falecidos, dias antes, e devia ter sido lida na ocasião - mas faltaram as mulheres, que ficaram sem registro. Entre elas, Helena Quintão de Souza, Mayesse Mahmud Ganem e Marisa Parreiras.

Na ala masculina,estão registrados os nomes  dos deputados Leopoldo Bessone e Kemil Kumaira;  cel. Waldyr Soares, ex-comandante geral da PMMG; Justino de Barros Frossard, Bernardo Pinto Monteiro, Álvaro Chaves, Jair Reis Filho, desembargador Lucas Sávio, Fernando Viegas Marinho, Erasmo Barros Figueiredo e Silva, Nioeldo Mendes Pires, Fernando Viegas Marinho, cel. José Satys Rodrigues do Vale, e Alexandre Borge Bogliolo - este, no dia da formatura, em acidente de carro. 


Saudades eternas, e que todos descansem em paz.



   BOAS FESTAS, FELIZ NATAL E BOM ANO NOVO 

 Resultado de imagem para natal em gramado


Como é costume, desde o nascimento deste blog, em janeiro de 2015, desejo a cada leitor e seguidor, e a toda a sua família, um luminoso Natal e o melhor ano de 2020 possível. Sem agressões e ofensas, sem revanchismos, sem radicalização e homofobias. Muita paz e harmonia, muito diálogo e compreensão, muito respeito a cada ser humano que cruzar nosso caminho. Votos de um Brasil melhor, mais justo, menos desonesto e sem tantas desigualdades sociais - e zero de corrupção, agora e para sempre, amém. Não nos esqueçamos de que os maiores ladrões e bandidos do país estão soltos, por enquanto fora do alcance da Lei.

---------------------------------

Belo Horizonte/MG, Sudeste do Brasil
Dia 20 de dezembro de 2019
Hélio Fraga - Editor
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga
BH/MG - BRASIL
15 de dezembro de 2019