segunda-feira, 28 de outubro de 2013

SUÍÇA, UM CASO DE AMOR QUE DURA 40 ANOS


  UM DOS CINCO PAÍSES MAIS BELOS DO MUNDO

Zurique, capital financeira, emoldurada pelo lago e as montanhas com neve, e rodeada de verde





Não existe melhor hora para se fazer uma declaração de amor, como faço agora - pois uma missão de empresários do turismo da Suíça (Switzerland Tourism) estará chegando a Belo Horizonte nas próximas horas. Quem convive de perto comigo sabe dessa antiga paixão pelo conjunto de belezas da Suíça - os picos nevados, as impressionantes formações rochosas dos Alpes, os chalés nas montanhas, os lagos azuis, os rios de águas cristalinas, os jardins floridos e impecáveis, a moderníssima rede ferroviária, a sucessão de túneis rasgando as montanhas, os viadutos colossais interligando as cidades.

Existem muitas Suíças numa só, e a gente custa a acreditar que tudo isso caiba num pequenino país com apenas 41.284 km2 de área e topografia muito acidentada, com população de 7 milhões (magro crescimento demográfico de apenas 1% ao ano). Mantendo um elevadíssimo nível de qualidade de vida, a Suíça se orgulha de ter uma moeda tão forte como o euro; alguns dos maiores e melhores laboratórios farmacêuticos; poderosas companhias de seguros (como a Zürich); grandes universidades e institutos de alta tecnologia; pistas de patinação no gelo; piscinas cobertas sempre aquecidas; fantásticas estações de esqui, como Davos, Gstaad e St. Moritz; e alguns dos melhores e mais luxuosos hotéis do mundo - começando pelo Dolder Grand Hotel de Zurique, o Belvedere em Davos e Berna, e o Victoria Jungfrau em Interlaken.

Mas a Suíça tem muito mais: alguns dos aeroportos de melhor qualidade na Europa Central, como Kloten em Zurique, Genebra-Cointrin e Basel/Mulhouse na fronteira com a França. E belíssimas cidades, como a capital Berna, simbolizada por um simpático urso, e também Lucerna, Lugano, Montreux, Winterthur, St. Gallen, Fribourg, Interlaken, Grindewald, Brienz, Pully, Vevey, Glarus, Zug, Solothurn e tantas mais.

E não pode faltar pelo menos uma rápida referência à Suíça dos campos de golfe e torneios de tênis, dos campings nas montanhas, das competições de patinação artística e dos estádios de futebol que foram palco da Copa do Mundo de 1954, que tinha tudo para ser conquistada pela Hungria, mas acabou no colo da Alemanha Ocidental. E para aqueles que lembram que a Suíça é sede da FIFA, aquela que coloca a faca no peito dos governantes fracos e demagogos (e faz exigências absurdas), vale lembrar que é também a sede da Cruz Vermelha Internacional, e dois órgãos importantes da ONU, como Organização Mundial de Saúde (OMS) e do Trabalho (OMT).

Neste blog, portanto, estamos  homenageando esta múltipla Suíça - da neutralidade política diante dos conflitos mundiais; dos poderosos bancos com contas secretas (tão do agrado dos corruptos multinacionais); dos relógios Rolex, Patek Philippe, Boucheron, Breitling, Movado, Tissot e Omega Constellation; e de tudo aquilo que o franco suíço pode comprar. Sejam bem-vindos a Belo Horizonte, representantes do Switzerland Tourism.

Na Bahnhofstrasse de Zurique, por onde passam os bondes azuis, estão as sedes dos bancos da Suíça



SWISS AIRLINES, REFERÊNCIA DA AVIAÇÃO MUNDIAL

A antiga Swissair foi, durante muitos anos, orgulho do país e seus escritórios de vendas eram verdadeiros consulados comerciais divulgando as belezas de seus Cantões. Belo Horizonte chegou a ter um deles, nos anos 60 e 70, comandado por Martin Weber, mais tarde transferido para o Rio. Em décadas passadas, mesmo sem possuir um Aeroporto Internacional, a capital de Minas era muito respeitada pelas companhias aéreas estrangeiras - tanto que tinha escritórios das principais européias, como Air France, KLM, Iberia, Lufthansa, Spanair e SAS, além da Alitalia e TAP (as duas que restaram). 

Todos os executivos importantes de companhias aéreas estrangeiras não se dignam a visitar Belo Horizonte, nem que seja uma vez por ano, simbolicamente. Eles ficam encastelados em suas sedes na Av. Paulista e nos ignoram. Ou então, num festival de omissões e falta de disposição para trabalhar, Minas Gerais não toma a iniciativa de procurá-los com temas relevantes e propostas concretas a discutir, como mais voos internacionais para Confins. Mas isso não vem ao caso agora.

Hoje, a companhia de bandeira do país é a Swiss Airlines, com sede em Zurique. Os voos continuam com a sigla internacional SR (SR-201/202, 203/204 etc, dependendo do dia da semana). A rota para o Brasil já completou mais de 50 anos. Houve um tempo em que os voos eram com DC-6B, e depois passaram para o DC-8/62, partindo do Rio e fazendo escala em Dakar antes de pousar na Europa. Mais tarde, os equipamentos utilizados foram DC-10/30 , MD-11 e Airbus A340. 

Honrando seu ilustre passado, as decolagens têm rigorosa pontualidade suíça e o serviço de bordo ainda é considerado um dos melhores do mundo. Veja mais nos sites swissair.com ou switzerlandtourism.com


Numa área tão reduzida, no coração da Europa, a Suíça oferece destinos para turistas do mundo inteiro
 

 

TURISMO DA SUÍÇA TRAZ NOVIDADES A MINAS GERAIS

É sempre bem-vinda a Belo Horizonte a presença da delegação de empresários de algum país membro da Comissão Européia de Turismo - CET, porque significa que Minas Gerais é um mercado atraente, onde vale a pena investir. Isso aconteceagora com a Suíça, em 30 de outubro, quarta-feira. Eles não vêm passear, pois querem mesmo é fazer negócios.



O Turismo da Suíça, através de sua representação oficial em São Paulo,  marcou um encontro com empresários do turismo mineiro, e alguns jornalistas convidados, para apresentar algumas novidades de seus destinos principais - como Zurique, Genebra, Lausanne, Interlaken, Lucerna, St. Moritz e outros - , e estabelecer parcerias e canais de comunicação.

O encontro será num almoço no Restaurante Sargas, do Hotel Mercure Lourdes BH, a partir de 12h. Como representantes do Turismo da Suíça no Brasil, estarão presentes: Adrian Genier, gerente de Mercado; Giselle Sarbach, gerente de Marketing; e Chelem Consentino, coordenadora do relacionamento com o trade turístico.

No fechamento deste blog, estavam confirmadas as presenças  de empresários de Zurique; Hotel InterContinental de Genebra; representante do turismo de Pontresina, que envolve também as atrações de St. Moritz e Engadin; empresários da belíssima Interlaken e do majestoso Pico Jungfrau; e também de Lucerna e Titlis.

Na minha opinião, o sistema ferroviário da Suíça é o melhor da Europa, superior mesmo ao DB da Alemanha (Deutsche Bahn). Basta a gente entrar num dos trens da SBB+CFF+FFS para notar grandes indicadores de sua alta qualidade, com atendimento impecável. Representantes do Swiss Travel System também estarão presentes ao encontro.

Trens especiais atendem às regiões de montanhas e centros de esportes na neve.
Bondes elétricos modulados cruzam as principais cidades, começando por Zurique, a capital financeira, e passando silenciosamente pela Bahnhofstrasse, onde estão as matrizes dos maiores bancos suíços.

Veja mais no site www.switzerland.com

Uma cena comum nesta terra encantada: os campos de flores, os picos nevados e o trem vermelho



HOTEL HOLIDAY INN, ABERTURA EM MARÇO DE 2014

Foi um sucesso o evento organizado pelo IHG (InterContinental Hotel Group) e a Patrimar Engenharia, reunindo cerca de 400 convidados num dos amplos espaços do Minas I. Música de boa qualidade e um fino coquetel, com presenças importantes de vários segmentos: investidores do meio empresarial e político; hoteleiros e gente do turismo, operadoras e agências de viagem; e meios de comunicação.


Os anfitriões foram os diretores da Patrimar Engenharia, Alex Veiga e Lucas Couto, além de Renata Veiga e Heloisa Martins Veiga. Pelo Grupo IHG, o diretor regional de Operações no Brasil, Francisco Garcia (Paco) e a futura gerente geral do hotel, Jacqueline Salles. 

O Holiday Inn BH chama atenção pelas linhas arrojadas de seu projeto arquitetônico, tendo à frente Bernardo Farkasvolgyi. Fica em ponto estratégico da região, à Rua Professor Morais 600, perto do Pátio Savassi, entre ruas Antônio de Albuquerque e Tomé de Souza.

O Holiday Inn BH, categoria 4 estrelas, teve sua abertura confirmada para março de 2014, três meses antes do início da Copa do Mundo. Terá 216 unidades; centro de convenções para 200 pessoas; bar e restaurante, mais academia, loja de conveniência e estacionamento rotativo.

O grupo IHG já conta com 4.400 hotéis, 720 mil quartos e está presente em 110 países de quatro continentes. Uma rede de peso, com várias marcas, como a Crowne Plaza. 

Entre muitos presentes neste lançamento: Ricardo Pitchon (Brazil Brokers); Mauro Werkema, presidente da Belotur; José Aparecido Ribeiro e Maarten van Slujs, que dão assessoria ao empreendimento antes mesmo de ser lançado; e figuras conhecidas como César de Abreu Viana, Márcio Fagundes, Fernando Campos, Paulo Navarro, João Euclides P. Salgado, João Carlos Amaral e outros. 




Nenhum comentário:

Postar um comentário