quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

ERA UMA VEZ UM CADERNO DE TURISMO QUE MORREU E DEIXOU MUITA SAUDADE







A princípio, pode parecer uma grande incoerência, mas espero que meus amigos entendam: ano novo, vida nova, encher-se de energias, empanturrar-se de  esperanças, acreditar que tudo vai melhorar apesar das  circunstâncias adversas (que são dramáticas para os brasileiros que trabalham e pagam impostos escorchantes), e eu comece 2015 falando de passado e lembrando um dos episódios mais tristes, que marcaram minha vida profissional - a extinção do Caderno de Turismo do jornal “Hoje em Dia”, de Belo Horizonte/MG,  precipitadamente, em fins de 2013.

Era o Caderno de Turismo mais premiado do Brasil, talvez  de toda a América Latina – mais de 25 diplomas, troféus, placas e medalhas  conferidas pelas principais entidades do exterior, reconhecendo sua honestidade editorial, sua ética e seu nível superior de qualidade, extrapolando as fronteiras brasileiras. Um Caderno produzido em Minas Gerais, fora do poder e influência política e econômica do Rio e São Paulo, mas um mineiro tipo exportação, enfrentando  grandes concorrentes igualmente respeitados e qualificados – só que muito mais antigos no mercado.






Alguns dos oito Diplomas de Reconhecimento da Comissão Europeia de Turismo foram entregues na Bélgica, Áustria, Escócia e Itália. Recebeu também diplomas do  Turismo de Portugal (IPT) e da  Região do Algarve; placa da Divisão de Turismo da Flórida;  troféu Golden Circle Award da Marriott Corporation; três diplomas de Cidadão Honorário nos Estados Unidos (Estado do Texas, Parques de Disney na Flórida e New Orleans-Louisiana);  e placa de reconhecimento da U.S. Travel Association, a principal entidade do turismo norte-americano..

Como único representante da Imprensa de Minas Gerais, e durante duas décadas, esteve presente em alguns dos mais importantes eventos turísticos do mundo – mais de 30 congressos International Pow Wow nos EUA; Florida Hudle, La Cumbre, Gateway America e California Travel Market, também nos EUA; Bolsa de Turismo de Lisboa; Feira ITB em Berlim; Germany Travel Markt em Mannheim; e viagens oficiais da Maison de La France,  Visit Britain (BTA), Turismo de Portugal e outras entidades.


Tão respeitado e prestigiado, o Caderno recebeu convites das principais  corporações do turismo internacional. Eram sempre “pessoais e intransferíveis”ao editor,  mas pedi permissão aos anfitriões para repassá-los a colegas da Redação do “Hoje em Dia”, sugerindo uma lista de 5 nomes, como prêmio ao seu desempenho profissional (numa empresa jornalística caracterizada pelo Reconhecimento Zero) e escolha do nome pela diretoria e chefia de Redação.O Caderno de Turismo se comprometia a publicar uma matéria honesta e fiel, retratando a realidade de cada lugar visitado, em vez da habitual prostituição de fazer matérias elogiosas em troca de passagens,  hotel e comida de graça (tão em moda, infelizmente, naquela época  como agora).

Foi assim que, nos anos 90 e início do novo milênio, 45 profissionais do jornal fizeram sua primeira viagem ao exterior – para muitos deles, a primeira e única até agora. Assim, puderam ganhar experiência internacional e conhecer os Estados Unidos (mais de 20 viagens), pelo menos 15 nações da Europa, Canadá, México, América do Sul, ilhas do Caribe, Canal do Panamá, pistas de esqui no Chile e Argentina, resorts de Cancún e Punta Cana,  Aruba e Curaçao, Cartagena, Cuba, parques temáticos nos EUA, cruzeiros marítimos, Machu Picchu, deserto de Atacama., Bariloche, Punta del Este etc.

Importante lembrar que o Caderno de Turismo, em 26 anos de existência,  participou de dos principais eventos do setor no Brasil, como congressos da Abav Nacional, Festival de Turismo de Gramado (que viu nascer em 1988), Feira BNTM, Expohotel etc. E acumulou diversos prêmios e placas de reconhecimento, como diploma de Amigodo Rio (Riotur), Prêmio Imprensa de Turismo-PIT, placas da Abih Nacional  e de Minas, placas da Abrasel e do Skal Cub,  placas do Maceió Convention Bureau, do Turismo de Foz do Iguaçu e um honroso diploma de Cidadão Honorário de Natal-RN, endossado pelo Governo do RN,  Prefeitura e mais de 10 entidades locais..

Fui editor por quase 18 anos, e mais seis anos como  colunista e consultor, tendo me desligado do jornal em dezembro de 2012. Não tendo vocação para coveiro, nem hábito de carregar alça de caixão, senti que o Caderno de Turismo ia ficar cada vez menor, por  culpa da incompetência da Diretoria Comercial do “Hoje em Dia”. Claro que o Caderno era viável economicamente, bastava ter gente disposta a trabalhar. Fizemos algumas edições especiais memoráveis, batendo recordes.  Detalhe importante:mais de 80% dos anúncios eram conseguidos usando meu nome e prestígio, e os contatos da publicidade cumpriam suas metas,  mas eu,  como editor e pai da criança,  tinha direito a participar do volume  faturado, e nunca recebi nada.


Como vocês já devem ter concluído, esta é uma longa história e eu tenho o direito de contá-la aqui no blog. O Caderno está fazendo tremenda falta ao turismo de Minas, ainda mais agora, num ambiente de tantas dificuldades e incertezas. Fazia críticas construtivas, dava sugestões, apontava  caminhos – e era respeitado por sua independência. Não devia nada a ninguém. Pagava todas as passagens (a TAP que o diga), hotéis, locadoras, táxis, trens, restaurantes, barcos, navios, até entrada em museus.

Acredito que o “Hoje em Dia”, felizmente em nova fase, sob a direção de um grupo de comunicação poderoso e respeitado, tem condições de rever aquela  decisão tomada em fins de 2013 e acabe decidindo que o Caderno de Turismo vai voltar a  circular. Continua viável economicamente, basta saber (e querer) trabalhar direito

Não haveria melhor presente para o turismo de Minas neste ano de 2015, pois está havendo um verdadeiro festival de improvisação, incompetência e amadorismo, em todos os níveis. Estão faltando idealismo, comprometimento, vocação de servir, desprendimento. Chega de oportunismo e ganância. Chega de aproveitadores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário