sábado, 1 de agosto de 2015

FEIRA MUNDIAL DE MILÃO, ÓTIMA CHANCE PARA VISITAR A CAPITAL DA MODA E BONS VINHOS



A mais forte imagem visual de Milão é a fachada do Duomo
Já era tempo de falar sobre Milão, a capital econômica do norte da Itália - posição que disputa com a vizinha Turim. A briga Milano x Torino vem de muitos séculos, é intensa, com mútuo respeito. Cada uma sabe do seu poder e força. Uma disputa ferrenha em todos os campos: produção industrial, feiras de tecnologia, design moderno, arte antiga, moda, arquitetura e estilo, competições esportivas, variedade gastronômica, importância histórica e riqueza cultural.

A rigor, este blog devia ter postado em abril, porque começou em 1º de maio a Exposição Mundial de Milão, ou Milano Expo, durando seis meses e terminando em 31 de outubro, com a expectativa de levar milhões de visitantes à cidade do Milan e Internazionale, Duomo de Milão, Teatro Alla Scala, Castelo Sforzesco, Pinacoteca Ambrosiana, Galeria Vittorio Emanuele II e algumas das lojas mais famosas do mundo  na região da Via Monte Napoleone e Via della Spiga.

Com ingresso ao preço médio de 35 euros por pessoa, em grupos familiares, mas apenas 5 euros para aqueles que só vão das 19 às 22 horas, a feira mostra o que  há de melhor em mais de 140 países. A água é o tema central, focando programas de preservação e conservação, reutilização e novas tecnologias para captação e distribuição. Mas cada pais levou a Milão o que tem de melhor em atrações turísticas - museus, monumentos, estátuas, igrejas, castelos, resorts, praias, rios e lagos.

. Entre  os destaques, as nações da Europa  Ocidental, América do Norte, Escandinávia, Europa do Leste e nações desenvolvidas da região da Ásia e todo o Oriente, Austrália e Oceania, Emirados Árabes e países emergentes, além de reunir o melhor do continente africano. Há um pouco de tudo: atrações turísticas, gastronomia, artesanato, produtos industrializados, imagem  institucional, folclore e moda - sempre um dos pontos fortes de Milão.

A Milano Expo provocou alta imediata nas diárias dos hotéis da cidade e arredores, devido à forte demanda. O hotel  de 3 estrelas que cobrava 130 euros pela diária, subiu para 180 ou mais de 200 euros. Importante lembrar que, neste momento, o euro está cotado a R$ 4,01 em Portugal, encarecendo todos os serviços num país efetivamente barato para nós - só que na Itália, França e Alemanha, por exemplo, tudo é muito mais caro (experiência vivida recentemente, numa excursão da Abreu durante 11 dias pela Bélgica, Holanda, Alemanha e França, com extensão a Portugal  - que será tema de futuros blogs).

Neste período de 180 dias, em pleno verão europeu, a feira de Milão tem recebido mais de 80 mil pessoas por dia, e mais de 100 mil em finais de semana, sob forte calor. Há inevitáveis comparações entre os estandes, destacando-se aqueles mais ousados tecnologicamente, melhor localizados, com decoração mais rica. Alguns são considerados estupendos e arrojados, enquanto outros podem ser considerados apenas razoáveis..

Entre os destaques da gigantesca feira, os estandes da Alemanha, Canadá, Coréia do Sul, Itália, França, Japão, Tailândia, Singapura, Austrália, Nova Zelândia, Marrocos, Croácia, África do Sul, Portugal, Holanda, Bélgica, Suécia, Dinamarca, Noruega, Finlândia, Rússia, México, Estados Unidos, Estônia etc.

De qualquer ângulo,  o estilo do Duomo é inconfundivel




     MILÃO E OS  LANÇAMENTOS DA MODA MUNDIAL


Para falar de Milão, agora em tanta evidência, é melhor começar pela moda - por ser o berço de griffes reconhecidas mundialmente, como Ermenegildo Zegna, Giorgio Armani, Gucci, Gianni Versace, Salvatore Ferragamo, Prada, Escada, Valentino e outras. As lojas mais chiques de 
Milão estão na Via Monte Napoleone,  mas o chamado Quadrilátero da Moda  começa no Corso Venezia e termina na Via Alessandro Manzoni.

Para se extasiar diante de tanta qualidade e variedade, o turista deve caminhar também pela Via Senato, Via della Spiga, Via Sant' Andrea, Via Santo Spirito e Borgospesso. Cada qual mais atraente que a outra. Vitrines deslumbrantes. Alta costura e vestidos para estrelas do cinema. Moda exportada mundialmente a preços altissimos.




 São preços fora da nossa realidade, já que vivemos abaixo da Linha do Equador. Um vestido de gala, bordado e cheio de brilhos, pode custar 20 mil euros - mais de R$ 80 mil. Um blazer com a etiqueta Valentino sai por 2.100 euros, mais de R$ 8,4  mil, e um terno completo custa cerca de 4 mil euros, ou R$ 16 mil. Uma simples gravata Ferragamo vale 200 euros, ou R$ 800.

Mais preços "convidativos": uma camisa social pode valer 400 euros, ou R$1.600. Um sapato fino, 600 euros ou R$ 2.400  mil. Uma calça jeans, considerada simples, não sai por menos de 300 euros, ou R$ 1.200. E pensar que ladrões bem-sucedidos na vida, e políticos corruptos com suas mulheres barangas e siliconadas, pagam esses preços até rindo, e com cartão corporativo.


O DUOMO DE MILÃO A FEZ CONHECIDA MUNDIALMENTE

Bem no centro da cidade, o Duomo de Milão é uma catedral gigantesca, uma das maiores igrejas góticas do mundo. Tem 157m de comprimento por 92m de largura no ponto de maior extensão. Sua construção durou mais
de 500 anos, pois começou no século 14, no tempo do príncipe Gian Galeazzo Visconti.

Do alto do Duomo, vistas espetaculares da cidade

O Duomo se tornou  retrato mundial de Milão, lindo de qualquer ângulo. A imponente catedral domina a Piazza del Duomo, muito ampla, com estátuas e fontes, sendo rodeada pela Via Giuseppe Mazzini, Margherita, Via Radegonda  e próxima da Piazza Fontana.

Como agora é pleno verão, e ainda tem a Milano Expo, o Duomo recebe mais de 90 mil visitantes por dia, e atinge picos de  120 mil. Entrada grátis. O aspecto mais importante do Duomo é um telhado de extraordinária beleza, com 135 agulhas e numerosas estátuas. Lá de cima, em dias claros, dá para ver os Alpes à distância.

A fachada do Duomo  reúne os estilos renascentista, gótico e neoclássico. São impressionantes  as gigantescas portas de bronze, onde os baixos-relevos contam a vida  da Virgem Maria e falam da história de Milão através dos séculos. No interior da catedral, há concertos clássicos e instrumentistas famosos em ocasiões especiais. Rigorosa inspeção de bolsas e sacolas antes da entrada no templo.

GALERIA VITTORIO EMANUELE II, PURA ELEGÂNCIA

Depois de visitar o Duomo, nada melhor do que entrar na Galeria Vittorio Emanuele II, referẽncia da Europa nos quesitos de elegância e refinamento. As principais entradas estão na Piazza del Duomo e, ao fundo, pela Piazza della Scala. É a sala de visitas de Milão e atrai uma clientela rica, pois algumas lojas são caríssimas.

Galeria Vittorio Emanuele II, um dos lugares mais elegantes e refinados de Milão

Destaque para dois restaurantes: Il Salotto di Milano, que serve o melhor café da cidade, e excelentes massas, e o Savini, famoso pela alta gastronomia. Aqui se encontram lojas da Ferrari, Vuitton, Cartier, Prada, Gucci, Armani, casacos de peles, perfumarias, roupas de gala e artigos variados.

Dentro da Galeria, vitrais de aço garantem muita luminosidade.


Pela  Galeria Vitttorio Emanuele II circulam as pessoas mais famosas da 
cidade, que os turistas nem reconhecem, a não ser que sejam 
perseguidas pelos fotógrafos papparazzi. 

São artistas de cinema e teatro, cantores de ópera, bailarinos, escritores, pintores  e pessoas que se destacam na vida social, financeira e cultural da cidade. Também passam pela galeria, e dão autógrafos, craques do Milan e Internazionale - mas quem está por cima no momento é o Juventus de Turim.


PINACOTECA, CORRIDAS EM MONZA E LAGO DE COMO
 

Como a preocupação deste blog é mostrar que Milão oferece mais do que fina gastronomia e bons vinhos da Lombardia, Toscana e Piemonte, é preciso destacar algumas atrações da cidade, como a Pinacoteca Ambrosiana na Piazza Pio XI; o Museu de Arte Contemporânea, na Piazza del Duomo, dentro do Palazzo Reale; a Igreja de San Satiro, na Via Torino; o histórico Castelo Sforzesco, outro símbolo da cidade; o Museu Poldi-Pezzoli, na Via Alessandro Manzoni 12, com importante coleção de obras de arte; e as igrejas de San Lorenzo Maggiore e Sant' Ambrosio.

Lago de Como, com seus palacetes e jardins.


No Teatro Alla Scala, inaugurado em 1778, foi estreada, em 1870, a 
ópera O Guarani, do compositor brasileiro Carlos Gomes. O Museu 
Teatrale expõe cenários e figurinos de produções que marcaram o cenário artístico mundial.

É preciso destacar  a importância da Feira Mundial da Moda, que atrai 
a Milão os maiores nomes da costura internacional e os lançamentos mais esperados, num conjunto de gigantescos pavilhões, muito bem servidos pelo metrõ, ônibus eletricos e trens urbanos, com bondinhos coloridos. No quesito de transporte urbano, a cidade é nota 10.

Milão é servida por dois aeroportos internacionais -  Malpensa  para os 
voos mais distantes, e Linate, mais central, para voos curtos da Italia a países vizinhos. Malpensa fica a 55 km ao noroeste da cidade, e Linate a 8 km no sentido leste. Ambios são ligados por trens velozes à estação ferroviária Milano Centrale.

A cidade do Duomo tem 1,5 milhão de habitantes. A estação Milano Centrale,  na Piazza Duca d' Aosta, é um dos principais eixos do sistema de trens na Europa.

Na cidade-satéĺite  de Monza fica o famoso autódromo para corridas de Fórmula 1 e outras categorias. Os GPs atraem milhares de apaixonados pelo esporte, todos os anos, em setembro. Monza tem apenas 125 mil habitantes.

Entre as cidades italianas importantes, também próximas, estão 
Cremona (76 mil), Mantova (53 mil) e a bela Bergamo (150 mil), situada no alto de uma colina, com verdadeiras jóias arquitetônicas. Os grandes lagos de Como e Maggiore são centros turísticos, caracterizados por importantes castelos e palácios às suas margens, na fronteira da Suíça.

Alguns dos principais hotéis de Milão ficam no Corso Buenos Aires, predominando os de 3 estrelas. Os mais luxuosos ficam no centro e perto da estação, e em outras vias públicas importantes, como  Via Magenta, Via Santa Sofia, Foro Buonaparte, Piazza Castelo, Piazza G.  
Matteotti, Via Santa Orsola, Corso Monforte e Largo dei Bersaglieri. A Alitalia perdeu muito espaço, e faz louvável esforço para se recuperar, mas as grandes empresas aéreas mundiais operam em Malpensa, como Emirates, Singapore, Thai, JAL, SAS, Lufthansa, Korean, China Airlines, South African etc.



PARA OS MINEIROS, CHEGAR A MILÃO VIA LISBOA

Para quem quiser aproveitar os 90 dias que restam para visitar a Milano Expo, e costuma embarcar para a Europa via Galeão-Tom Jobim e Guarulhos, um lembrete: continuam operando voos diretos da TAP saindo de BH/Confins para Lisboa, com conexão imediata para Roma, Veneza, Milão,  Bologna e outras cidades italianas. Sua  malha oferece conexões para mais de 50 destinos europeus e africanos.

Viagem em Airbus A330-200,  com decolagem de BH às 16h40, chegando à capital portuguesa às 5h50 da manhã. O voo de ida é TP-104. No retorno, com o número TP-103, parte de Lisboa às 9h30 e pousa no Aeroporto Internacional Tancredo Neves às 15h10.

São 266 lugares disponíveis em cada voo, sendo 242 na classe econômica e 24 na executiva. A bordo, uma boa seleção de vinhos portugueses tintos e brancos do Douro e Alentejo, cervejas portuguesas Sagres e Super Bock, e de marcas internacionais, sucos da Compal, água mineral Luso (sem gás) e a gasosa Pedras. além de refrigerantes variados. Os cardápios são renovados constantemente. São 3 opções de pratos quentes.

Os bilhetes aéreos são financiados em 5 parcelas sem juros. Informações e reservas na sua agência de viagens. Sugiro consultar a central de reservas TAP pelo fone 0300-240-6060 e ver o site 
www.tap.com e www.tap.pt

----------------------------

Belo Horizonte-MG / Brasil
01 de agosto de 2015
Editor - Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

Nenhum comentário:

Postar um comentário