terça-feira, 19 de janeiro de 2016

NO CARNAVAL, HÁ VAGAS NOS RESORTS DO NORDESTE E NOS NAVIOS DE CRUZEIRO


Preços estão mais convidativos em famosos resorts do Nordeste



Não deixa de ser um sinal dos tempos, e um termômetro para medir a atual situação do mercado turístico brasileiro:  estamos a 3 semanas do início do Carnaval de 2016, de 6 a 10 de fevereiro, e quem estiver pensando em viajar, e tem condições financeiras para isso - sem o risco de se endividar perigosa e irresponsavelmente - vai encontrar dezenas de vagas nos principais destinos turísticos do país, inclusive nos resorts mais caros. Há vagas em excesso  tanto nos hotéis como nos voos, já que as três principais companhias aéreas nacionais aumentaram muito as ofertas de assentos com voos extras - basta consultar os sites da Azul, TAM e Gol.



Numa análise fria e isenta, este é um fato incomum, anormal até. Acompanho o turismo brasileiro e internacional há mais de 40 anos. Estou cansado de saber que o Réveillon e o Carnaval são períodos de altíssima ocupação e todos os pacotes de viagem se esgotam três meses antes, com inevitáveis filas de espera e gente implorando por uma cama vazia de hotel e poltrona vaga num avião.



Nos cruzeiros marítimos, assim que os programas eram lançados pelas empresas - como Royal Caribbean, Costa, MSC, Pullmantur, Celebrity, Azamara Cruises, Carnival, Holland America, Princess e Norwegian - as primeiras viagens que tinham todas cabines ocupadas eram as de passagem de ano, por causa do show de fogos em Copacabana, e os cruzeiros de Carnaval para o Nordeste, superlotando todos os pacotes com destino à Bahia, principalmente, e os demais estados. O lançamento das excursões era feito em julho/agosto, meses antes das duas festas, e já em outubro todas as cabines estavam ocupadas.



A dura realidade é que, sufocada por tantos impostos e tantas contas simultâneas para pagar - IPTU, IPVA,  material escolar, planos de saúde, matrículas, contas de energia (caríssimas)  telefones e água, internet, taxas de condomínio, juros do cheque especial etc -, grande parte da classe média brasileira começou este ano decisivo (política e economicamente falando) de caixa baixo, endividada até o pescoço, desanimada, sem rumo e sem esperanças. Quanto à classe menos favorecida, e mais iludida e ludibriada, é melhor nem falar.



Vamos, então, ver o que está disponível nas operadoras e agências de viagens, e quanto custa, para quem fizer bem as contas e decidir que é possível passar o Carnaval fora. 




VIAGENS: NORDESTE, URUGUAI E ARGENTINA 

Cabines com varanda e conjuntos de  piscinas no MSC Magnifica 



É melhor começar pelas viagens marítimas, sonho de tanta gente, e antes com preços proibitivos para um assalariado. Nunca houve tanta vantagem como agora. Algumas companhias, como a italiana MSC, congelaram o dólar a R$ 2,99, quando custa agora mais de R$ 4,00 no câmbio oficial e pelo menos R$ 4,25 no mercado paralelo. Elas reduziram suas margens de lucro e cortaram até onde foi possível, dentro da lógica de que é melhor ganhar menos do que manter  cabines vazias e tripulantes ociosos e sem gorjetas.


Como sempre, elas só publicam os preços mais baixos, a chamada Tarifa Bingo, em cabines sem vista para o mar.  O navio MSC Armonia lançou cruzeiros carnavalescos para Salvador, com 1 pernoite na Bahia, num programa de 7 dias, partindo de Santos em 5 de fevereiro. O custo da parte marítima, por pessoa, é de R$ 1.551,81, com 10% de entrada, ou R$ 155,18, e mais 10 parcelas de R$ 139,66. 


Cada passageiro paga como adicionais: taxas portuárias (sempre muito caras, tendo em vista as vergonhosas deficiências de portos brasileiros) e de serviço, além de taxas operacionais. Nos navios, todos os preços são em dólar. São aceitos cartões de crédito, cujas taxas - também caríssimas - os brasileiros conhecem de sobra. Uma vantagem extra é parcelar as compras e despesas de bordo nos cartões, em vez de pagar tudo de uma vez.


Outra opção da companhia italiana, pelo navio MSC Magnifica, é um cruzeiro ao Rio da Prata, também em 7 noites, com embarque em Santos em 7 de fevereiro. Custo por pessoa de R$ 2.119,91, só parte marítima, com escalas em Punta del Este, Buenos Aires (um pernoite) e Montevidéu. São  10% de entrada, ou R$ 211,99, e mais 10 pagamentos de R$ 190,79. O custo final em dóĺar representa US$ 709, fora as taxas habituais, já citadas acima. 


Ver o site www.msccruzeiros.com.br. Para mais informações, discar 4003-1058, número válido para todo o país. Excursões à venda nas principais agências de viagens de cada Estado. No caso de Minas Gerais, venda também em agências de Juiz de Fora, Sete Lagoas, Divinópolis, Uberaba, Uberlândia, Patos de Minas, Araxá, Barbacena, Curvelo e outras cidades importantes. 



Já a italiana Costa Cruzeiros oferece uma viagem carnavalesca pelo Costa Pacifica, partindo do porto do Rio em 6 de fevereiro, com duração de sete noites, visitando Salvador, Ilhéus e Ilhabela, com a vantagem de não pedir entrada. O custo inicial de R$ 3.329 por pessoa foi reduzido para R$ 1.981, em 10 pagamentos de R$ 199, apenas parte marítima, fora impostos e taxas. Ver mais detalhes no site www.costacruzeiros.com.br


                         
    SAIR ATRÁS DE UM TRIO ELÉTRICO NA BAHIA

-"Atrás do trio elétrico só não vai quem já morreu" ... já cantavam essa marchinha os foliões baianos e de outros Estados em carnavais passados. Os trios de Salvador, em caminhões gigantes, com potentes equipamentos de som, garantem o sucesso do carnaval de rua na Bahia, dizendo que "a Praça Castro Alves é do povo como o céu é do avião" e tomando o rumo de Ondina e do Farol da Barra, arrastando multidões atras deles.


A multidão segue atrás do trio elétrico, cantando e sambando


Pelo depoimento de dois colegas da imprensa baiana, desde a passagem de ano os ensaios dos trios e seus minidesfiles já têm aquele tom de empolgação popular.  Em Salvador, o período carnavalesco dura pelo menos sete dias. E a folia já envolve os turistas que chegam antes, sabendo que no Carnaval de verdade tudo estará mais caro.



Por isso, já estão sendo vendidos agora pacotes  pré-carnavalescos de 8 dias, com saídas diárias, garantindo passagem aérea, traslado do aeroporto aos hotéis e no retorno,  hospedagem com café da manhã no Hotel Sol Bahia e passeio pelas praias. O custo por pessoa, em acomodação dupla, é de R$ 1.790 à vista, ou 10 parcelas de R$ 179 sem juros. As viagens são operadas pela CVC.



Também para Recife há pacotes pré-carnavalescos, antecipando a alegria dos desfiles de bonecos gigantes em Olinda  e dos vários clubes de frevo, uma das maiores manifestações de rua no turismo brasileiro. São pacotes de 5 dias, com saídas diárias dos voos de várias capitais com destino ao Aeroporto de Guararapes.  Além dos traslados de ida e volta,  há hospedagem com café da manhã no Hotel Prodigy  Recife e passeio pela cidade e sua vizinha Olinda. Custo de R$ 1.770 por pessoa em apartamento duplo, pago em 10 mensais de R$ 177 sem juros.



As agências de viagem, em BH e interior de Minas, vendem pacote de férias ou de Carnaval em lugares como Porto Seguro (Hotel Fênix), Arraial d'Ajuda (Hotel Ancoradouro), Maceió (Hotel Lagoa Mar), Porto de Galinhas (Pousada Lusitana). Natal (Hotel Yak, na praia de Pirangi), Aracaju (Hotel Parque das Águas), Fortaleza  (Hotel Bellomar Ariaú), tudo com pagamento facilitado em 10 mensais sem juros. Os voos, quase sempre, são com a Gol. Todos os pacotes são de 8 dias. Mais detalhes no site www.cvc.com.br




PARA QUEM NÃO SE ASSUSTA COM O DÓLAR A R$ 4


Praias paradisiacas e o mar azul de Punta Cana encantam os brasileiros




Estão disponíveis nas agências de viagens vários pacote para o exterior, para aqueles que decidem enfrentar o dólar a mais de 4 reais. Entre os destinos sugeridos: Punta Cana e suas praias paradisíacas; Buenos Aires (um real vale 4 pesos); Punta del Este e Montevidéu; Machu Picchu e tesouros dos incas; Santiago do Chile, Viña del Mar e Valparaiso; Sul do Chile e Lagos Andinos; praias e cassinos de Aruba e Curaçao; e Cartagena e San Andrés, na Colômbia.



Muitos destinos internacionais estão disponíveis e com preços especiais neste final de janeiro, porque vão custar mais caro no período carnavalesco. Exemplos:



1) Punta Cana com sistema tudo incluído (All Inclusive): 5 dias nas belas praias da República Dominicana, de mar azul intenso,  com hospedagem no resort Ifa Villas Bavaro Resort, na Bavaro Beach, a praia mais famosa da região, com hotéis cheios de coqueiros enfileirados em frente ao mar. Custo básico de US$ 985 por pessoa, convertidos em reais para R$ 3.570, pagos em 10 mensais e R$ 357 sem juros. Taxas de embarque pagas em separado, como sempre acontece nesses pacotes.



2) Santiago do Chile, para experimentar os bons vinhos chilenos e conhecer  os restaurantes e casas noturnas do bairro Providencia, onde a cerveja Cristal é sempre a preferida: pacote de 5 dias, com embarques diários, incluindo viagem aérea e hospedagem com café da manhã no Capital Apart custando US$ 443, ou R$ 1.590 por pessoa, em 10 pagamentos de R$ 159 sem juros.



3) Montevidéu, com sua variada comida, lojas de couros e bons vinhos uruguaios: pacote de 5 dias, com saídas diárias em jato, e hospedagem com café da manhã no Hotel Califórnia - tudo por US$ 358 por pessoa em duplo, convertidos para R$ 1.290 em 10 pagamentos de R$ 129 sem juros.



Estão disponíveis também pacotes de 5 ou 7 dias para Nova York, Las Vegas, Atlantic City e seus cassinos, Miami,  Fort Lauderdale e Orlando com  os quatro parques de Disney, mais Estúdios da Universal, Sea World, Busch Gardens em Tampa e a roda gigante Orlando Eye. Basta pesquisar na internet ou falar com sua agência de viagens. 


     O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO TURISMO

O problema nos voos em Confins é a falta de informações confiáveis



1) AEROPORTO INTERNACIONAL DE CONFINS: um final de semana em estado de caos, com centenas de passageiros ocupando todos os espaços no terminal,  pelo cancelamento ou atrasos de vários voos nacionais, e muitos com conexões para o exterior. Viajantes frustrados  e revoltados pela falta de informações confiáveis e omissões das companhias aéreas. Reclamações gerais contra a indiferença dos atendentes dos balcões, sem fazer nada ou dando desculpas evasivas (fugir à responsabilidade). Foram 189 voos cancelados no sábado, dia 16 de janeiro, e 25 atrasados; e mais 42 voos cancelados no domingo, dia 17, e 90 viagens atrasadas· Culpa do mau tempo e nevoeiro. Exige-se que os pilotos tenham visibilidade mínima da pista a 100 metros - só que dezenas de aeroportos em grandes cidades do mundo funcionam normalmente em condições atmosféricas muito piores, inclusive com tratores tirando neve das pistas.



2) IMPOSTO DE RENDA PARA REMESSAS DE DINHEIRO PARA O EXTERIOR: depois de duas semanas de angustiante espera, e um estado de pânico das principais entidades do turismo brasileiro (como Abav Nacional, Abremar,  Braztoa, Belta e Abeta), o governo federal voltou atrás e decidiu não cobrar o imposto de renda (25%) sobre todas as remessas para pagamento de despesas de viagens ao exterior - hotéis, passeios, alimentação, shows etc. A taxa acabou ficando nos 6,38 por cento já cobrados, como nos gastos com cartões de crédito no exterior. Quando a medida foi anunciada pelo Ministério da Fazenda, as lideranças do setor turístico mo brasileiro disseram que haveria uma  falência generalizada de agências de viagens e operadoras internacionais. Acabou prevalecendo o bom senso.  O contribuinte não pode ser esfolado desta maneira. 



3) ESTREIA NA PIOR HORA POSSÍVEL: uma nova companhia aérea começou a operar no Aeroporto da Pampulha, com apenas um avião ATR-42, de 50 lugares, que faz uma rota do  Rio (Santos Dumont) para BH e continuação para Ipatinga. Não poderia haver momento mais desfavorável: muita chuva em BH; o país em séria  crise econômica; a maioria dos passageiros endividada pelos altos impostos de janeiro, como  IPTU e IPVA; juros altos e falta de crédito generalizada. No meio de tanta adversidade, resta desejar que os responsáveis pelo empreendimento tenham condições de levá-lo adiante. Fico aqui à espera de poder divulgar boas noticias, quando elas acontecerem. Só posso desejar-lhes  boa sorte.



---------------



Fica adiado, por falta de espaço, aquele prometido comentário sobre o impacto da Olimpíada 2016 sobre a Barra da Tijuca e a falta de respeito da maioria dos motoristas cariocas às faixas de pedestres na travessia da Av. Lúcio Costa rumo à praia. Se vierem mesmo muitos turistas estrangeiros, haverá sérios riscos de atropelamentos. É que, nos países de onde eles vêm, os pedestres têm preferência sobre os carros ao atravessarem as faixas. Basta colocar o pé na faixa, e todos os veículos param. A gente fala sobre isso mais tarde. Não se trata só do Rio, mas do Brasil como um todo. Não existe esta consciência de respeitar a vida dos pedestres - e estes, muitas vezes, não ajudam e são imprudentes, atirando-se à frente dos carros e ônibus. 
---------------



Belo Horizonte/MG - Sudeste do Brasil

18 de janeiro de 2016

Editor - Hélio Fraga

Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

Nenhum comentário:

Postar um comentário