quarta-feira, 21 de junho de 2017

FLÓRIDA ENSOLARADA, PARAÍSO DA DIVERSÃO E REINO DA FANTASIA NAS FÉRIAS DE JULHO

A grande parada de Disney e o cenário do castelo da Cinderela ao fundo




Ainda não é proibido sonhar – graças ao bom Deus. Na Flórida, a gente parece estar sonhando de olhos abertos, tantas são as maravilhas ao alcance de nossa vista – tudo que se pode imaginar em matéria de conforto, luxo, diversão, compras e lazer. E um Reino da Fantasia
que se espalha por várias cidades reunidas, interligadas por jardins impecáveis, lagos azuis de vários tamanhos e florestas de pinheiros – praticamente a gente não sabe onde termina uma e começa a outra: Orlando, Kissimmee, St. Cloud, Lake Buena Vista, Sand Lake, Celebration etc. Que a Califórnia não se ofenda e me desculpe, o Texas também: aqui estão as melhores vias expressas, rodovias e estradas secundárias dos Estados Unidos. A Flórida é dez, dá um show.

As placas brancas e verdes dos carros definem a Flórda como Sunshine State, o Estado do sol brilhante (e com razão). Mas deviam mudar para Reino da Fantasia, pois assim ela se transformou, com um surto bilionário de progresso alucinante, principalmente nas últimas cinco décadas.Aquelas dezenas de quilômetros cheios de laranjais (Orange State, outro símbolo do Estado) e fazendas de criação de gado, de Leste (mar) para Oeste (interior) foram substituídos por rodas gigantes como Orlando Eye, e uma sucessão de montanhas russas, tobogãs aquáticos e brinquedos em alta velocidade, reinos de animais, florestas de borboletas, pistas de esqui em pleno calor, imitações de minas de ouro antigas e velhas ferrovias, reprodução de cidades doVelho Oeste, casas mal-assombradas, palmeiras enfileiradas ao longo de largas avenidas,com hotéis de Primeiríssimo Mundo. Aqui estão, imponentes, alguns dos melhores resorts e centros de lazer do planeta Terra. E onde desfilam personagens que pessoas de todas as nacionalidades, níveis sociais, idiomas e religiões conhecem: Cinderela, Branca de Neve, Mickey, Minnie, Pluto, Pateta, Pato Donald, Tio Patinhas, Lobo Mau e Rei Leão.

Pluto, Minnie, Mickey Mouse, Pateta e Donald encantam as crianças.


Louve-se, eternamente, o gênio criador de Walt Disney, que pensou e sonhou alto. Nos anos 50, ele começou a comprar grandes extensões de terras na Flórida, a região mais plana dos EUA, povoada por dezenas de lagos, para aqui construir o gigantesco parque de atrações que se tornou modelo e inspiração para todos os demais: Magic Kingdom (Reino Mágico). Ou, simplesmente, Disney World, dividido em Terra da Aventura (Adventureland), Terra da Fantasia (Fantasyland), Terra do Amanhã (Tomorrowland) e Terra da Fronteira (Frontierland). Foi como um estouro da boiada, pois, em seguida, vieram Epcot Center, Estúdios Disney-MGM, Reino dos Animais, Downtown Disney, Ilhas da Aventura etc.

Novas princesas, como Elsa e Anna (filme Frozen), atraem as meninas.


Aconteceu na Flórida Central, que exigiu a construção de uma Via Expressa (Turnpike) partindo de Miami, uma revolução sem armas e tiros no mundo: uma radical transformação em tudo que significa brinquedos em alta vlocidade,piruetas em 360 graus, turbilhão de emoções e adrenalina pura para milhares de pessoas, ao mesmo tempo. Orlando exigiu a construção de um Aeroporto Internacional, que logo se tornou um dos mais movimentados do mundo. E os rapazes e moças da classe média alta foram os primeiros a conhecer “a Disney”, levados por várias Tias pioneiras, como Tia Dora e Tia Eliane. Minas foi um dos Estados precursores nesse tipo de excursão estudantil, seguindo o modelo da venerável Vovó Stella Barros.



      UMA CORRIDA MALUCA POR MAIS DIVERSÕES


Manta, a mais famosa montanha russa de Sea World.


A Flórida Central, começando por Orlando e seus vizinhos, vem batendo sucessivos recordes de chegada de turistas estrangeiros. Já são mais de 62 milhões de visitantes, todos os anos, vindos principalmente da América Latina (o Brasil em posição de liderança, com crise e tudo) e nações do resto do mundo. Como sempre, em destaque, norte-americanos, canadenses, mexicanos, países do Caribe, chineses, japoneses, coreanos, russos, britânicos em grande quantidade, europeus em geral e visitantes procedentes de Singapura, Tailândia, Malásia, India, Emirados Árabes, Leste da Europa, Indonésia etc. E a sucessão de novas atrações não para, é uma espécie de corrida maluca atrás de mais emoções. Novas atrações vão surgindo, sem parar. Como agora: Volcano Bay recentemente aberta nos Estúdios da Universal, num cenário que reproduz ilhas da Polinésia.

Imagine juntar tudo isso num prolongado jardim que se estende diante de seus olhos. E vá colocando todas essas atrações como que enfileiradas: a monumental roda gigante Orlando Eye, que garante vista total em 360 graus, até onde seus olhos alcancam; piscinas com ondas artificiais; lugares sobre os quais você ouviu falar, como Sea World, antes apenas conhecido pelos tubarões assassinos e pela baleia Shamu e seus filhotes, mas agora transformado num parque 10vezes maior,com atrações 365 dias por ano, como Aquatica, Discovery Cove, Adventure Island e algumas das mais fantásticas montanhas russas do mundo, como a Manta.

A história de Sea World começou com o show da baleia Shamu.


Tudo na Flórida é gigantesco, colossal, difícil de descrever: os Estúdios da Universal, terra dos dinossauros de Jurassic Park, das aventuras voadoras do extraterrestre ET e de Harry Potter, têm uma sucessão de montanhas russas coloridas, de grande altura, com piruetas sensacionais; e cenários que lembram sucessos de Hollywood e filmes de aventuras, com praias artificiais de verdade entre lagos de águas correntes. E ainda tem diversão noturnas para todos os gostos na Ilha da Aventura; o Fisherman’s Wharf, que reproduz a zona portuária de San Francisco; restaurantes à beira-mar com camarões gigantes e novos e sensacionais hotéis, lojas, centros de lazer e moda para crianças, jovens e adultos. Come-se muito bem e barato em vários centros de lazer dos Estúdios da Universal, e os hotéis estão entre os melhores da Flórida - tente conhecer o Portofino.



        POINTE ORLANDO ESTÁ FAZENDO SUCESSO 

 
Novas lojas e casas noturnas no colorido Pointe Orlando.

As atrações de Orlando parecem se renovar continuamente. A paisagem está sempre mudando para melhor. Se um parque fecha, como aconteceu com a atração aquática Wet’n Wild, surge depressa outra maiore melhor, logo adiante. A área de um parque náutico pode ser substituída por um novo resort de luxo servido por Monorail (trem suspenso).

Aqui não se faz turismo por diletantismo ou poesia.Tudo tem de render lucro, só se fala em milhões e bilhões de dólares. Há grande criatividade dos empresários. Um exemplo é Pointe Orlando, perto do luxuoso Hilton Orlando, um moderno e ajardinado conjunto de lojas finas, restaurantes e bares temáticos, como um cubano. Há um restaurante Red Lobster bem próximo.Se o amigo leitor esteve lá há dez anos, verá que a paisagem mudou radicalmente, e as boas estradas se alargaram e se multiplicaram. Há muitos shoppings novos, mas o veterano Florida Mall segue sendo uma referência, com mais de 200 lojas e ligado a um hotel Adam’s Mark (recomendo o restaurante Le Jardin).Os latinos se esbaldam em lojas de departamento como Dillard’s, Burdines, JC Penney, Sears, Saks Fifth Avenue e a exclusiva e cara Nordstrom.

Algumas sugestões: para que procura relógios Rolex, Patek Philippe, Tissot e Tag Heuer, as indicações são Mayor’s, Marks & Morgan e Watch World. Entre as joalherias: Barclay Jewelers, Diamond Ile, Zales Jewelers e Helsberg Diamonds. Na parte de alimentação, tem de pizza Sbarro ao mexicano Taco Bell, Mambo’s Cafe, Charleys Steakery, Maki of Japan e o chinês Manchu Wok.



      THE MALL AT MILLENIA, OUTRA REFERÊNCIA


The Mall at Millenia tornou-se referência de luxo em Orlando.


Brasileiros que chegam a Orlando estão à procura de roupas Tommy Hilfiger, Abercombie, Old Navy, Banana Republic, Nike, Gap, Polo Ralph Lauren, H & M e produtos de outras marcas conhecidas, como Nine West, Burberry’s, Florsheim, Myrtique, Crabtree & Evelyn, Guess Kids, chocolates Lindt e Godiva, relógios Swatch, artigos da Disney Store e outras marcas. Quem vier dirigindo pela rodovia I-4 East pode seguir à direita pela Sand Lake Road, que vai acabar encontrando lojas com preços mais favoráveis, como Marshall’s, Target, Kmart ou Big K, Foot Locker, e calçados baratos na Payless. Há muita novidade nos dois Outlets do Grupo Simon, também dono do Florida Mall: roupas modernas, tênis, moda esportiva e acessórios em geral.

Visitantes novatos vão encontrar boas novidades e muitas novidades num dos melhores shoppings de Orlando – The Mall at Millenia, em ponto de fácil acesso. Destaque para moda feminina e roupas jovens, calçados italianos e artigos para presentes. Alguns shoppings dão carnês de descontos. Como Orlando atrai dezenas de congressos e convenções por ano, o principal Centro de Congressos da cidade (vários hotéis têm o seu) vem passsando por sucessivas expansões, sendo 10 vezes maior do que era na virada do século. Algumas lojas mandam vans buscar clientes nos hotéis e centro de convenções, assim como os Outlets.

As estatísticas oficiais são segredo de Estado, mas sabe-se que, na Flórida Central, a indústria de turismo gera 1 em cada 5 empregos; e os visitantes deixam bilhões de dólares no Tesouro da Flórida, todos os anos, principalmente nas férias de verão (julho e agosto) e nos meses de inverno no Hemisfério Norte (dezembro a abril). As antigas fazendas de criação de gado e os laranjais em série na região compreendida por Orlando, Kissimmee, St. Cloud, Lake Buena Vista e outras cidades juntas deram lugar a mais de 200 hotéis modernos - como Hilton, Sheraton, Marriott, Hyatt Regency, Crowne Plaza, Renaissance, Embassy Suites, Inter-Continental, Radisson, Adam’s Mark, Holiday Inn, Doral, Wyndham, Rosen,The Peabody e várias outras marcas. A rede hoteleira de Orlando tem mais de 120 mil apartamentos disponíveis para alugar por dia.

Giros alucinantes em 360 graus em Busch Gardens

Os parques de Disney, sozinhos, têm uma rede hoteleira maior que a de muitas cidades médias no Brasil. Antigamente, eram poucos hotéis, todos de luxo: Contemporary Resort, Polynesian Village e os quatro pioneiros da cidade de Lake Buena Vista: Royal Inn (hoje Royal Plaza, com as mesmas sacadas douradas em forma de meia-lua), Grosvernor, Dutch Inn e Howard Johnsons.

Hoje, há no Reino Mágico de Disney mais de 30 novos hotéis, como o exclusivo Grand Floridian (com ancoradouro e praia artificial), Wilderness Lodge, All Stars Resorts, All Sports, Port Orleans, The Swan, The Dolphin – tem até o luxuoso e nobre The Waldorf Astoria, tão elegante como o de Nova York, e com o mesmo glamour, na região de Bonnet Creek, onde estão os melhores campos de golfe.

A Flórida parece ser o refúgio escondido de tenistas e golfistas aposentados, todos bilionários. São dezenas de campos chiquérrimos, a maioria congregando aposentados de “modestas” corporações, como Exxon, Pan Am, American, Eastern, National, Braniff, Macy’s, Bloomingdale’s, Saks Fifth Avenue, Chase Manhattan Bank, Merryll Lynch, Citibank, Shell, General Motors, Ford, Pontiac, Oldsmobile, Chevron, Texaco etc. Esses respeitáveis e saudáveis senhores de 95 anos vão longe…

Os Estúdios da Universal, novas atrações continuamente.


----------------------

Belo Horizonte/MG – BRASIL
20 DE JUNHO DE 2017
Editor – Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

(E-mail - hfraga.rmj@gmail.com)

Nenhum comentário:

Postar um comentário