segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

AO COMPLETAR 120 ANOS, BELO HORIZONTE TERÁ DE ENFRENTAR PESADOS DESAFIOS


 
A decoração da Praça da Liberdade foi inaugurada para comemorar os 120 anos de BH


Vamos aproveitar cada momento deste clima de encantamento que toma conta da Praça da Liberdade, no coração de Belo Horizonte, que está completando 120 anos de existência nesta terça-feira, 12 de dezembro. Essas milhares de lâmpadas de led acesas, estas palmeiras imperiais também cobertas de luzes, e este corredor iluminado na Alameda Travessia, que levam ao Palácio da Liberdade, indicam que a capital de Minas Gerais vive seu maior momento neste ano de tantas frustrações e decepções (o povo brasileiro parece estar no limite, e o mineiro mais  ainda, diante de tamanho desgoverno). Mas toda essa festa de aniversário, numa das cinco maiores capitais no Brasil - com 2,5 milhões de habitantes -, significa mais trabalho pela frente, novos compromissos  e desafios, melhor transporte urbano, mais trincheiras sobre as vias expressas e corredores de tráfego, planejamento de novas obras e tentativa de resolver problemas que já duram décadas - como neste traumático Anel Rodoviário, verdadeira fábrica de tragédias que já somam centenas de vidas perdidas.

Aproveitemos esse festival de luzes,cores e sons, não percamos tempo,porque a festa geralmente começa tarde e acaba cedo. Como venho pregando aqui no deserto há décadas, a festa teria de começar em meados de novembro,com toda pompa, iniciando um festival de eventos previamente planejados, e se prolongar, no mínimo, até o dia 15 de janeiro.Mas a correria dos coordenadores é tanta que eles mal conseguem esperar a virada do ano, em 31 de dezembro. quando lógica e o bom senso indicam que o ideal seria a festa de aniversário se misturar com a celebração do Réveillon nas praças urbanas e da periferia; nos clubes, como no Automóvel Clube, Minas 1 e 2, PIC Pampulha, Iate, Olímpico, Mackenzie, Jaraguá, AABB e tantos outros, e os Réveillons no Jardim Canadá,em clubes privados, em restaurantes,pizzarias, casas noturnas, danceterias e espaços de lazer.

Deixemo-nos embalar por toda a Praça da Liberdade lindamente iluminada, o Coreto, o lago,  as palmeiras imperiais, as árvores, as estátuas e fontes  nos jardins (cuja grama o povo continuará pisando, como sempre fez, num ato de desamor à cidade e falta de sensibilidade). Compremos balões coloridos para as crianças, algodão doce, pipoca e todas essas bugigangas que os vendedores ambulantes comercializam por todos os cantos da praça. Havendo condição e espaços, vamos levar as crianças para lanchar no Xodó, como a gente fazia na nossa juventude.


Tentemos valorizar o que é nosso, procurando elogiar o que é bonito em vez de criticar possíveis falhas, inerentes a todos nós, seres humanos (apesar de que alguns, como os políticos corruptos, exageram na dose e no atrevimento). Procuremos elogiar os esforços dos shopping centers, renovando-se a cada Natal e, na maioria, sorteando carros e/ou motos entre seus clientes, buscando bater recordes de venda em tempos de vacas magras. Chamo sua atenção, em especial, para o Diamond Mall, que, como você sabe, foi construído no terreno onde era o Estádio Antônio Carlos, do Atlético, em Lourdes (Av. Olegário Maciel com ruas Bernardo Guimarães,  Gonçalves Dias e Rio Grande do Sul). O Diamond, sempre o mais criativo e esbanjador, inspirou sua decoração natalina no Império Britânico, com seus castelos e palácios. No centro, na Praça de Alimentação, foi feita a reprodução de um palácio real, com relógios antigos e torres laterais. Com 10m de altura,a árvore principal é decorada com heras, pinhas, ursos de pelúcia e botas.


No Minas Shopping, na Av. Cristiano Machado, cada R$ 300 de compras dão direito a um cupom para concorrer ao sorteio de uma BMW 320i Sport e um miniveículo BMW elétrico. Será um Natal cheio de atrações virtuais e interativas (Authentic Games), mobilizando a criançada e parte da juventude. No BH Shopping, o de maior tradição, foram espalhados pelo quatro pisos do mall cenografias criativas utilizando brinquedos tradicionais, como bailarinas, ursinhos e soldadinhos de chumbo. Isso inclui um carrossel de seis metros de diâmetro. E sorteio de valiosos prêmios, levando um carro de luxo para casa.No Boulevard Shopping, a famosa animação russa Micha e o Urso predomina na decoração de Natal, além de brinquedos interativos e itens de desenho animado, tudo isso montado na área de eventos.E no Pátio Savassi, haverá apresentações musicais infantis, incluindo peças como Pequeno Príncipe e Rapunzel, e as crianças podem brincar numa grande piscina de bolinhas coloridas.

E como 2017 foi um ano conturbado, pra lá de problemático, com caminhões de más notícias invadindo nossos lares  todos os dias, vindos pelos meios de comunicação, não se podia esperar outro "espírito de Natal": o povo brasileiro está de farol baixo, apático,desinteressado pela política, desencantado com tudo e com todos, enojado de ouvir falar em senadores e deputados corruptos e barganhas dos governantes com parlamentares gananciosos. Como disse a CNBB em nota oficial, emitida em Brasília, cenário dos principais crimes da política,em fins de outubro passado: 1) "É grave tirar a esperança de um povo": 2) "A barganha na liberação de emendas parlamentares pelo Governo é uma afronta aos brasileiros"; 3) "Apesar de tudo, é preciso vencer a tentação do desânimo, e só uma reação do povo, consciente e organizado, no exercício de sua cidadania,é capaz de purificar a política, banindo de seu meio os que seguem o caminho da corrupção e do desprezo pelo bem comum". (Trechos da nota assinada pelo arcebispo de Brasilia e presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha)

A decoração da praça deste ano foi totalmente diferente dos anos anteriores
Então, vamos fazer -a pedidos - uma espécie de esforço coletivo para tentar espantar nosso desânimo, irritação, apatia, indiferença, nojo e revolta. Vamos imaginar que o Brasil, apesar de tantos desvios e descaminhos, ainda tem conserto e pode virar essas páginas amargas e desencorajadoras. E, no caso específico de Belo Horizonte, vamos esperar que a Capital dos 120 anos pode ser um lugar melhor para se viver, e deixe de ser essa cidade esburacada (agora, o estado é calamitoso); sem tiroteios nas favelas  entre policiais e traficantes; menos alagamentos na Av. Vilarinho e regiões vizinhas; menos engarrafamentos,que dão um nó cego no trânsito urbano; menos acidente sem mortes no Anel Rodoviário (que exige solução definitiva e o Dnit tem obrigação moral de contribuir e participar; menos vandalismo contra os bens públicos; menos sujeira nas ruas; mais PMs e guardas municipais em fiscalização efetiva (e não compondo a paisagem); menos intolerância e histeria no trânsito: mais gentileza entre as pessoas - qualquer bom-dia faz uma diferença enorme. Menos irritação, mais cortesias. E prioridade, sempre, para os pedestres - se forem idosos, tudo isso em dobro.

Rezemos todos ao Senhor, amém. 
Antecipadamente, Bom Natal a todos.


------------------

Belo Horizonte/MG- Brasil

11 de dezembro de 2017

Editor - Hélio Fraga
Postagem e edição - Ana Cristina Noce Fraga

Nenhum comentário:

Postar um comentário